Posts

Como funciona a Repescagem da OAB?

A repescagem da OAB é um edital de reaproveitamento da 1ª fase do exame anterior, ele foi pensado para beneficiar os aprovados na 1ª fase, mas que reprovaram na 2ª fase, assim, este candidato tem mais uma tentativa de realizar a 2ª fase do Exame de Ordem!

Inicialmente, você deve estar ciente que a repescagem possui um período de inscrição e um edital próprio e deverá estar atento a esses prazos. No post de hoje vamos falar sobre o reaproveitamento do Exame XXIX e tirar todas as suas dúvidas sobre os estudos dessa modalidade do certame.

Quando será o momento de inscrição para a repescagem?

O edital de reaproveitamento será postado no site da FGV em Setembro e nele constarão as regras de inscrição para reaproveitar a 1ª fase do XXIX Exame.

Quem tem direito a repescagem?

Podem utilizar o reaproveitamento os examinandos aprovados na 1ª fase do XXIX Exame que tenham sido reprovados, ausentes ou eliminados na 2ª fase do XXIX Exame de Ordem Unificado.

Já devo iniciar meus estudos?

Independentemente da posição em que o aluno se encontra, havendo dúvidas sobre a aprovação, uma vez que ainda não foram divulgados os resultados dos recursos, que sairá no dia 24 de setembro, é importante que você inicie seus estudos imediatamente.

Qual a taxa de inscrição do repescagem?

Além de edital separado, a repescagem também conta com valor separado, diferente e metade (ufa) do valor da primeira inscrição feita na OAB, no caso R$ 130,00 (centro e trinta reais), aquela que você fez para participar do XXIX Exame.

E se eu me inscrevi para a 1ª fase estando no repescagem?

Tudo bem, pois é possível se inscrever para a 1ª fase do XXX Exame e ainda se inscrever para reaproveitar a 1ª Fase do XXIX Exame, confuso né? Mas a questão é que se você aprovar na 1ª Fase do XXX Exame já garante a repescagem lá no XXXI Exame. Se inscrevendo nos dois editais fica assim:

Edital da inscrição

1ª Fase XXX

2ª Fase XXX

2ª Fase XXXI

XXX – Candidato se inscreve na 1ª Fase e no reaproveitamento

Realiza no dia 20/10/19

Realiza no dia 1/12/19

Realiza num dia futuro a ser divulgado pela FGV

XXX – Candidato se inscreve somente no reaproveitamento

 

Realiza no dia 1/12/19

 

Posso trocar a área de segunda fase no reaproveitamento?

Sim, você pode alterar sua área de 2ª Fase, mas tenha cuidado, pense com carinho antes de mudar, pois você terá que estudar desde o início uma matéria nova, sem poder aproveitar o estudo anterior.

Além de mudar a área para a prova prático-profissional, você pode alterar a cidade do local de realização da prova também. A alteração de estado é possível em casos excepcionais, mas nestes casos o candidato terá que solicitar à Coordenação Nacional do Exame de Ordem.

Perdi a inscrição da repescagem ou não compareci no dia prova do repescagem, tenho direito ao reaproveitamento no próximo exame?

Em regra não, você não tem direito a usufruir o repescagem em outro exame, caso perca a inscrição ou não compareça no dia da prova, salvo se estiver inscrito na 1ª fase do XXX Exame e aprovar nela, assim, se não comparecer no dia 1/12, poderá realizar a prova da 2ª fase do XXXI Exame, na modalidade repescagem.

Se você precisa de uma segurança na hora de estudar para a 2ª fase, conheça o Garantia CEISC: você pode iniciar o estudo para o repescagem e se seu recurso for aprovado, obter um crédito sobre o valor investido no curso de 2ª Fase, acesse aqui.

Neste vídeo, você também pode conferir mais informações sobre a Repescagem!

Esperamos que tenha gostado das nossas informações! Qualquer dúvida, deixe nos comentários! Não esqueça de enviar esse conteúdo para seus amigos que aproveitarão a repescagem da OAB e de continuar nos acompanhando por aqui.

Abraços e até a próxima!

Aprenda agora como fazer marcações no Vade Mecum corretamente

Quem vai prestar a segunda fase da OAB precisa saber como fazer anotações no Vade Mecum, afinal, esse é um dos materiais que você pode utilizar para consulta e ele deve estar dentro das regras do edital.

Além dele, também é possível levar súmulas, enunciados e orientações jurisprudenciais organizados, leis de introdução, instruções normativas, regimentos internos, resoluções de tribunais, etc., desde que nada disso esteja comentado.

Fazer anotações incorretamente custa caro: o material pode ser recolhido e, em alguns casos, a prova será anulada e o candidato, eliminado do exame. Por isso, neste conteúdo, nós ensinamos como fazer as marcações sem problemas. Confira!

Utilize códigos sem índices estruturados

A palavra-chave sobre como fazer anotações no Vade Mecum para a prova da OAB é cautela. Depois de meses, ou até mesmo anos, de preparação, é fundamental que tudo esteja de acordo com as regras para não ser desqualificado do exame.

A primeira dica é utilizar um código sem índices estruturados para a peça processual, ou seja, sem “esquemas” ou remissões literais sobre a petição que você deve elaborar na segunda fase da OAB.

Verifique bem o seu Vade Mecum para ter certeza de que o índice não está em desacordo com as regras do edital do exame e não anote nada que possa fazer uma remissão direta à peça processual (como escrever “qualificação” ao lado de um artigo).

Tomando esses cuidados você garantirá que o índice do seu código está de acordo com as regras e ficará mais tranquilo no momento da prova, porque não terá medo de haver alguma coisa errada.

Use caneta marca-texto

A segunda dica é usar caneta marca-texto para fazer grifos no Vade Mecum. Muitas pessoas utilizam várias canetas coloridas, lápis de diferentes tonalidades e outras práticas para marcar o código.

Apesar de essas atitudes não serem contra as regras, tendo em vista que não há limite para as cores utilizadas, elas podem gerar desconfiança — e você perderá tempo durante a prova enquanto o fiscal verifica se está tudo correto.

Além disso, quando o código tem marcações demais, ele vira um “carnaval” e pode gerar mais confusão do que ajudar. Assim, o candidato pode se perder na hora, afinal, ele terá que “decifrar” tudo o que grifou em determinado artigo ou lei e saber o que cada cor significa.

Grife de forma simples e faça remissões

Ao utilizar o marca-texto, grife de forma simples. Como dissemos, fazer rabiscos demais e exagerar na hora de realizar uma anotação pode atrapalhar sua consulta.

Apesar de a utilização de códigos anotados não ser permitida, você poderá fazer remissões a outros artigos da lei. Por exemplo: ao lado de um artigo do Código Civil é possível escrever “V. art. 20 CPC”.

Lembre-se que símbolos, como círculos, asteriscos e flechinhas, não são permitidos. Então, tenha muito cuidado na hora de fazer as suas remissões, pois esses “desenhos” são irregulares.

A dica aqui é ser simples e não exagerar. Grife ou sublinhe o que for mais importante de cada artigo e faça uma pequena remissão. Não circule palavras, artigos ou faça asteriscos ao lado de certos termos para não correr nenhum risco.

Utilize clipes ou os separadores permitidos

A última dica é em relação à separação dos códigos e leis dentro do Vade Mecum. Como ele é um grande compilado das legislações mais importantes do Direito, pode ser difícil e demorado achar o necessário durante a prova.

Como tempo é fundamental nesse momento, você pode fazer a separação de cada legislação, desde que utilize materiais permitidos pelo edital. Portanto, é importante se atentar a todas as disposições.

Você poderá utilizar clipes de papel ou separadores de código, fabricados por editoras, em que não houver nenhuma anotação além da remissão das leis (apenas Código Civil, Código Penal, etc.).

Conhecendo e seguindo essas dicas sobre como fazer anotações no Vade Mecum você irá para a prova mais tranquilo e seguro, afinal, não haverá nenhuma irregularidade que possa excluí-lo do exame e frustrar toda a sua preparação.

Gostou das nossas dicas para fazer suas anotações no Vade Mecum? Aproveite e confira o nosso artigo com um planner de estudos para OAB. Assim você organizará a sua rotina na preparação para a prova!

Recursos da 2ª Fase da OAB: tire todas as suas dúvidas

Divulgado o resultado preliminar da 2ª fase do Exame de Ordem, muitos candidatos se depararam com uma correção equivocada da prova. E agora, como proceder? É o momento de interpor um recurso e recuperar aquela pontuação que está faltando para atingir a sonhada aprovação. E como fazer um bom recurso que terá chances de ser aceito pela banca examinadora? No post de hoje vamos lhe ensinar!

Em virtude da prova da 2ª fase do Exame de Ordem ter cunho discursivo, observa-se que, por vezes, os examinadores incorrem em equívocos durante a correção da prova. Tais equívocos podem ser sanados através de recurso para à banca revisora.

Por onde começar?

O candidato que for reprovado na prova prático-profissional deve analisar sua prova com cautela, verificando, criteriosamente, a correção realizada pelo examinador. Desta forma, o candidato entenda que houve equívocos por parte do examinador, com a consequente desconsideração de nota, deve interpor recurso postulando a reforma da correção e, portanto, do resultado.

Além disso, os candidatos devem ficar atentos no que tange ao prazo para a interposição dos recursos. O edital do XXIX Exame de Ordem prevê o prazo de 3 (três) dias para a interposição de recursos, iniciando às 18h do dia 11 de setembro de 2019, encerrando-se às 18h do dia 14 de setembro. (Lembre-se: horário de Brasília).

O recurso deve ser interposto através do site http://oab.fgv.br, exclusivamente.

Tenho muitos apontamentos, devo fazer mais de um recurso?

Não! Cada candidato poderá interpor APENAS UM recurso POR questão discursiva e sobre a peça profissional com o limite de até 5 mil (cinco mil) caracteres cada um. Logo, para cada questão da prova terá um limite de até 5 mil caracteres, e para a peça também terá um limite de 5 mil caracteres (peça toda).

Assim, o recurso não pode ser extenso demais. Convém salientar que não é necessário termos jurídicos ou pesquisas do assunto, quanto mais claro e objetivo o recurso melhor.

Identificação de recurso:

O candidato não pode inserir seu nome no recurso, assim como quaisquer identificações:

 A informação de qualquer dado pessoal ou qualquer outro dado que leve a possível identificação do candidato levará ao indeferimento sumário.

Esclarecemos novamente que o recurso é realizado exclusivamente pelo site da FGV disponibilizado acima. Ou seja, não será aceito recurso enviado por fax, correio eletrônico ou pelos Correios, também não será aceito recurso fora do prazo.

Por fim, frisamos que a decisão dos recursos e o consequente resultado definitivo do XXIX Exame de Ordem serão divulgados na data de 24 de setembro.

Recurso de erros materiais, como fazer? Veja o modelo!

Para aqueles que identificaram apenas erros materiais em suas correções, seguem alguns exemplos de recursos:

– Peça: O candidato, no item 04 da peça, nas linhas 82 e 83 da folha 03, abordou corretamente a tese de atipicidade conforme com o gabarito e o espelho, “trata-se no caso em tela de atipicidade do fato” no entanto, a nota não foi atribuída. Logo, faz jus a 0,55 pontos.

Outrossim, ainda no item 04, nas linhas 78 e 79 da folha 03, o candidato refere “o mesmo não teve dolo de subtrair o bem” cumprindo expressamente o requisito para pontuar, entretanto não pontuando. Frente a isto faz jus a 1,00 ponto.

– Questão: Na questão número 02, item A, folha 07, linhas 01/08, o candidato abordou expressamente que “a prisão de Jorge é irregular, pois Jorge não descumpriu nenhuma medida cautelar” e ainda que “o magistrado deveria apenas ter aplicado uma medida cautelar e não a prisão”, sem ter a nota atribuída para tanto. Requer por isso mais 0,60 pontos.

Precisa de uma ajuda?

O CEISC vai corrigir recursos de alunos!  O CEISC, mais que ninguém, sabe bem como é angustiante redigir um recurso. E é muito bom poder contar com alguém para auxiliar neste momento. Foi pensando nisso, que a Equipe do CEISC vai auxiliá-lo com a correção do seu recurso, na busca da sua tão sonhada aprovação!

Para saber mais acesse este link: correção de recursos: Examinandos do XXIX receberão auxílio em seus recursos.

Esperamos ter ajudado, estamos torcendo pela aprovação de vocês!

Boa sorte e até a próxima!