Posts

Crenças limitantes: o que são e como podem influenciar nos seus estudos

O exame da OAB é temido por praticamente todos os estudantes de Direito. E, embora seja realmente uma prova que necessite de um bom preparo, muitas vezes as crenças limitantes dos candidatos são a causa da reprovação.

Se você estudou durante cinco anos e se preparou para enfrentar o certame não teria porque sentir medo. Mas sabemos que a insegurança e os pensamentos negativos são capazes de impedir que ótimos candidatos sejam aprovados.

Leia o nosso post e veja como você pode estar se boicotando. Confira!

O que são crenças limitantes?

Quando você tem medo de falhar em algo, normalmente nem tenta, certo? Você se convence de que não é bom o suficiente e se enche de pensamentos que servem como desculpa para não ir além.

Esse tipo de atitude é o que chamamos de crenças limitantes. Elas são responsáveis por mantê-lo na zona de conforto e evitar que você supere o seu medo do fracasso e, consequentemente, não alcance o desenvolvimento pessoal e profissional esperado. Elas fazem com que duvidemos na nossa capacidade.

O surgimento das crenças limitantes pode acontecer das seguintes maneiras:

  • de acordo com a criação da pessoa, ou seja, tem relação com aquilo que ela ouvia de seus pais referente a estudo ou sucesso, por exemplo;
  • as crenças limitantes criadas com base na experiência pessoal do indivíduo;
  • e as crenças que são desenvolvidas de acordo com o meio em que ela vive, como é o caso de propagandas que reforçam determinado tipo de padrão físico ou intelectual.

Por que temos crenças limitantes?

As crenças limitantes são pensamentos involuntários que paralisam e nos impedem de tomar certas atitudes. Para justificar o medo em fazer determinada coisa, muitas vezes as pessoas se apegam em fatos que aconteceram no passado.

É muito comum encontrarmos estudantes que reprovaram uma vez no exame da OAB e, em vez de tentarem novamente no próximo certame, começam a adiar cada vez mais essa conquista e se distanciam do seu objetivo.

Outras vezes, as pessoas apenas reproduzem algo que foi dito a elas e se convencem de que realmente não são boas. Como alguém que ouviu de uma professora, ou até mesmo dos seus pais, que o seu desenho não era bonito ou que ele não era tão bom jogador de futebol assim.

Pronto! Dependendo do perfil de quem ouvir essa informação, é o suficiente para desenvolver uma crença limitante que o convença de que nunca mais se esforçará para desenhar ou fazer um esporte, uma vez que, na sua mente ele se convenceu de que não era bom.

Exemplos de crenças limitantes

Agora, veja exemplos de crenças limitantes:

  • Não é possível ser feliz no trabalho.
  • Sou muito velho/novo para fazer isso.
  • Nunca vou ganhar dinheiro.
  • Não sou inteligente.
  • Nunca serei feliz.
  • Não sou capaz de aprovar na OAB.
  • Nunca vou conseguir aprender isso.
  • Não posso/não sei/não consigo fazer isso.

Como superar as crenças limitantes?

Em primeiro lugar, para superar as crenças limitantes você deve identifica-las e tomar consciência daquilo que o limita. Depois, reconheça que esta crença é um pensamento que inconscientemente você tomou como verdade e lembre-se de que ela não retrata a realidade. Sendo assim, reflita: o que comprova que esta crença é verdadeira? Desde quando eu penso dessa forma? Será que esta crença me ajuda a chegar onde quero?

Por exemplo, se você reprovou no exame da OAB, ou se durante a faculdade não era exatamente um bom aluno, não deixe de fazer a prova por acreditar que você não é capaz. Por isso, uma forma de vencer as crenças limitantes é lembrar do objetivo que deseja alcançar. Não esqueça que sem a aprovação você nunca poderá atuar como advogado! O desejo de alcançar este sonho deve ser maior que as suas crenças!

Por isso, analise o que aconteceu no passado e avalie por qual motivo você reprovou. Foi na primeira ou segunda fase? Quantos pontos você fez? Em qual matéria teve mais dificuldade? Avalie esses pontos e procure um cursinho preparatório para ajudá-lo a aprovar. Trace um plano de estudos, organize a sua rotina e entenda que foi apenas um caso isolado: este fato não determina quem você é.

A mesma dica vale para outras provas, como os concursos públicos. Caso deseje ser juiz, não dê ouvidos para as pessoas que vão dizer, por exemplo, que é um objetivo difícil de ser alcançado.

Conclusão

Portanto, para superar uma crença limitante, você não deve apenas ser um otimista convicto e cheio de autoestima. É necessário conhecer a situação, avaliar os riscos, ter noção da complexidade e, dessa maneira, desenvolver uma atuação que garanta o seu sucesso.

Afinal de contas, você já deve ter ouvido que nada cai do céu, certo? Preparação é a palavra-chave quando falamos de crenças limitantes. E não permita que alguém diga para você que não é capaz de fazer algo. Cerque-se de pessoas que não deixem você desistir.

Sendo assim, não deixe de entrar em contato conosco para começar a se preparar para o exame da OAB desde já e arrasar na prova!

Lifelong learning e como aplicar para o exame da OAB

Hoje vamos apresentar o conceito de lifelong learning. Apesar de ser algo novo, esse método pode ajudar muito no estudo e na preparação para o exame da OAB.

Lifelong learning é um conceito de aprendizado contínuo, que nasceu da motivação das pessoas ao questionarem o modelo de aprendizado atual. Dessa forma, sentindo a necessidade de desenvolver um estudo contínuo, ou seja, estudar e aprender coisas novas ao longo da sua vida.

Afinal, já não é novidade que o modelo de educação tradicional está cada vez mais obsoleto, ou seja, não serve mais para preparar as pessoas para os desafios da vida, principalmente em tempos em que a produtividade, bem como a realização pessoal e profissional são importantes.

Preparamos uma lista com pontos que mostram como o lifelong learning pode ser útil para quem presta o exame da OAB. Continue lendo e descubra!

Melhor preparação

Sem dúvida alguma, quem é adepto do lifelong learning estará mais preparado para o exame da OAB, visto que segundo esse conceito é preciso aprender constantemente e descobrir a melhor forma de fazer isso.

Quando lidamos com uma rotina de estudos em que é necessária certa dedicação, tal como a preparação para a OAB, nada melhor que encontrar métodos e ferramentas para fazer com que ela seja a mais efetiva e prazerosa possível, não é?

Aprendizado constante

Assim como já diz a sua definição, o lifelong learning se baseia no aprendizado para a vida toda. No caso do exame da OAB, sabemos que o conteúdo é extenso e sempre pode ser visto sob um novo ponto de vista.

Sendo assim, nada melhor do que uma abordagem de aprendizado constante para que o estudante esteja cada vez mais atualizado, além de continuar buscando novas experiências para tornar esse processo o mais rico possível.

Melhor retorno

Como mostramos aqui, utilizar o lifelong learning trará um retorno muito melhor, uma vez que a motivação e o desejo de aprender algo novo ajudarão você a ter um desempenho mais satisfatório nos estudos. Por consequência, isso ajuda a alcançar o resultado esperado, que é a aprovação no exame.

Então, podemos dizer que essa ferramenta ajudará a atingir o seu objetivo de forma mais rápida e prática em comparação com métodos de estudo tradicionais.

Maior satisfação

Além de tudo isso, quem adere ao lifelong learning torna-se mais satisfeito consigo mesmo, pois se sente livre para aprender e conquistar o que tanto deseja.

Aprender coisas novas de maneiras diferentes traz uma satisfação grande para todos e isso é muito importante nos dias atuais, em que todos estão traumatizados pelo estudo tradicional. É muito bom pensar que existe essa possibilidade na preparação para fazer o exame da OAB.

Agora que você já sabe mais sobre o que é o lifelong learning, é importante aplicá-lo sempre na sua rotina de estudos. Para isso, é preciso entender as suas dinâmicas a fim de colocá-lo em prática de maneira eficiente.

Gostou deste artigo? Então assine a nossa newsletter para ficar sabendo das nossas novidades em primeira mão.

O QUE FAZER NO DIA DA PROVA DA OAB