O Blog OAB na Veia oferece conteúdos gratuitos para você aprovar na OAB. Com conteúdos para a 1ª e a 2ª Fases, você encontra dicas e explicações sobre o que fazer para alcançar seus objetivos na prova. Como as dicas de estudos, que irão ensinar você a se organizar para estudar, driblar o nervosismo e como aplicar novas metodologias. Além disso, as análises dos editais explicam que forma a banca cobra os conteúdos na prova e, também, as principais datas do Exame. Ademais, as notícias deixam você por dentro de todas as novidades sobre as questões polêmicas e outras novidades da FGV. Como interpor recurso, assuntos mais cobrados e por onde começar a estudar são algumas das orientações que os leitores do OAB na Veia têm. Por isso, você não pode deixar de nos acompanhar!

O que é interposição de recurso? Entenda para que serve

Depois de ter o resultado preliminar da prova da OAB, é preciso saber o que é interposição de recurso para o exame e como construir seus argumentos para conseguir a reversão de uma correção equivocada da banca.

Muitos alunos ainda têm dúvidas sobre como funciona esse procedimento, perdendo prazos ou fazendo recursos que são indeferidos pela banca examinadora, deixando passar uma chance de modificar o resultado.

Para evitar isso, neste post mostraremos o que é a interposição e quais são os prazos para fazer. Também daremos alguma dicar para essa hora. Confira!

O que é a interposição

Interpor um recurso na prova da OAB significa elaborar argumentos para anular ou mudar a interpretação de uma questão de acordo com o gabarito divulgado pela banca organizadora. Para isso, é preciso seguir várias regras divulgadas pelo edital, com o objetivo de conseguir alguns pontos na avaliação.

É permitido fazer um recurso por questão objetiva e discursiva, além de pontos da peça profissional que foi confeccionada durante o exame. Assim, é possível fazer 80 razões para a prova objetiva (uma por questão) e 5 para a segunda fase (4 discursivas e 1 sobre a petição).

A banca organizadora também disponibilizará as digitalizações da folha de resposta de cada candidato; assim, se houver algum erro de leitura das questões objetivas ou discursivas, será possível interpor um recurso com esse argumento.

Também é preciso saber que há um limite de 5.000 caracteres para as razões recursais. Então, no momento de redigir o recurso, é preciso ser direto e objetivo, focando nos pontos-chave para a mudança da questão, sem discutir questões pessoais ou que não estão ligadas ao assunto.

O uso de modelos também deve ser feito com uma certa cautela; as razões do recurso, tanto da parte objetiva quanto da discursiva, não serão analisadas se forem cópias de outros alunos. Portanto, é preciso escrevê-la com as próprias palavras, utilizando as dicas de cursinhos e professores.

Quem julgará esses recursos será a banca recursal, nomeada pela Coordenação Nacional do Exame de Ordem. Essa análise deve ser feita de forma imparcial, portanto, não é possível assinar as razões ou colocar o nome do candidato.

Quais são os prazos do recurso

Sabendo o que é interposição de recurso, você deve conhecer todos os prazos para fazer isso, tendo em vista que os intempestivos não serão julgados pela banca recursal. Quem traz essa regra é o próprio edital da prova da OAB, então é importante conhecê-lo com antecedência.

Como esse prazo varia entre as provas, não é possível seguir um padrão. Para conhecê-lo, procure a última página do edital, em que está o Cronograma Geral de Eventos (geralmente o Anexo V). Nele, estarão descritas todas as datas importantes, inclusive o prazo de interposição de recurso.

O horário também é importante: ele estará descrito no próprio site da FGV, na primeira tela do sistema de interposição de recursos da banca. Geralmente, vai das 12h do primeiro dia do prazo até as 12h do último.

Dicas gerais para fazer o recurso

O primeiro passo para fazer o recurso é identificar os casos em que vale a pena recorrer. Para isso, é preciso verificar todas as suas respostas e analisar quais estão de acordo com leis e entendimentos judiciais, mas a banca não considerou.

Para facilitar essa tarefa, vários cursinhos e professores disponibilizam “primeiras impressões” sobre a prova em cada matéria, inclusive se há possibilidade de interposição de recurso em casos específicos.

Depois disso, basta escrever as razões recursais e interpor o recurso pela plataforma que a banca disponibiliza. Vale lembrar que não adianta recorrer de todas as questões que você errou, mas só daquelas em que realmente há um embasamento.

Agora você já sabe o que é interposição de recurso! Apesar de ser uma via estreita, quando o estudante tem bons argumentos e redige boas razões, é possível ter sucesso no resultado e, inclusive, conseguir a aprovação.

Para complementar essa leitura, confira o nosso passo a passo para o sistema de interposição de recursos!

Entenda como são cobrados o Código de Ética e o Estatuto da OAB

O Estatuto da OAB e o seu Código de Ética e Disciplina são assuntos muito importantes, tanto para o exame de ordem como para a própria carreira na advocacia, já que eles dispõem desde os direitos e deveres dos advogados até as sanções disciplinares que podem ser aplicadas.

Inclusive, no exame da OAB, essas matérias reúnem 8 questões: o maior número em relação a qualquer outro assunto. Gabaritando essa parte, o candidato já garante 20% dos pontos necessários para ser aprovado na prova.

Neste texto nós mostraremos o que é o Estatuto da OAB, o Código de Ética e como eles são cobrados no exame. Não perca!

O que é o Estatuto da OAB?

O Estatuto da OAB, Lei n.º 8.906 de 1994, traz regras para vários assuntos pertinentes ao exercício da advocacia no Brasil, como os direitos do advogado, os impedimentos, as imunidades dos membros, os atos privativos, as atividades incompatíveis, as prerrogativas etc.

Ele também dispõe sobre os fins e a organização da própria OAB, além de tratar dos estagiários, das caixas de assistência dos advogados, das eleições internas da Ordem e de todos os processos disciplinares em relação às sanções que podem ser aplicadas.

O estatuto é muito importante para que o advogado tenha resguardadas suas garantias constitucionais e legais, pois ele é um sujeito fundamental para a ordem pública e, dessa maneira, precisa ter direitos e deveres regulados com a aplicação de sanções pelo seu descumprimento.

O que é o Código de Ética?

O Código de Ética e Disciplina da OAB não é uma lei, mas sim uma norma editada pela própria ordem dos advogados para regular a postura profissional do advogado conforme vários princípios, como justiça, boa-fé, dignidade, isonomia, finalidade social etc.

Ele tem a função principal de regulamentar a relação entre o advogado e o cliente, trazendo normas para defender o interesse das pessoas que buscaram o profissional dessa área para postular o direito em juízo ou defender-se.

O código fala sobre a ética do advogado, o sigilo profissional, a publicidade, os honorários profissionais, o processo disciplinar, entre outros assuntos que são fundamentais para o exercício da advocacia e o atendimento a clientes.

Como o assunto é cobrado no exame de ordem?

Como vimos, essas normas são fundamentais para o exercício da advocacia e também são de grande importância para a prova da OAB, pois são a base dos conteúdos cobrados na parte de Ética, além disso são matérias relativamente tranquilas de serem estudadas.

Do Estatuto da OAB, os pontos fundamentais são os direitos do advogado, que estão elencados no artigo 7º, entre eles: inviolabilidade do escritório, comunicação com o cliente, da prisão em flagrante e da presença do representante da OAB, livre ingresso em repartições públicas, recusa de depoimento como testemunha em processo no qual atuou e imunidades profissionais.

O art. 34, que fala das infrações e sanções disciplinares, também é um assunto recorrente no exame de ordem, devendo o candidato saber quais são as penalidades, suas regras e o rol taxativo de infrações.

Os honorários advocatícios (art. 22 do Estatuto e arts. 35 e seguintes do Código de Ética) também são muito importantes para a prova (e para a carreira!). Aqui é necessário conhecer os honorários pactuados, os de sucumbência e os arbitrados judicialmente.

Vale lembrar que o Código de Ética tem apenas 66 artigos, portanto, é possível fazer uma leitura integral e conhecer todos os detalhes. Com um bom curso de preparação para a prova, o candidato também pode conhecer as regras mais importantes do Estatuto da OAB, garantindo uma boa nota nessa parte!

Gostou do nosso artigo? Ainda ficou com alguma dúvida ou tem mais dicas para ajudar outros candidatos com essas matérias? Então deixe um comentário aqui no post!

O que estudar na reta final da 1ª Fase da OAB

Estamos há menos de trinta dias da primeira fase do XXVIII Exame de Ordem e a maior dúvida dos candidatos neste momento são sobre o que estudar e direcionar os estudos: reviso os conteúdos que já sei, ou corro atrás de novos conhecimentos?

A primeira dica é não se desesperar, a segunda é ler o nosso post, pois hoje vamos esclarecer todas essas dúvidas e lhe ajudar a estabelecer a melhor estratégia de estudo para esta etapa.

FAZER REVISÕES DOS CONTEÚDOS OU BUSCAR NOVOS CONHECIMENTOS?

A resposta vai depender exclusivamente de como foi a sua trajetória até aqui, faça uma análise das suas últimas semanas de estudos. Se você está seguindo um cronograma de estudos, é primordial que você continue no seu planejamento e o altere apenas se precisar dar uma atenção especial a dificuldades que você esteja enfrentando, se for o caso.

Se você faz parte dos que ainda nem tocaram nos cadernos e precisa começar a estudar agora, saiba que há tempo para correr atrás do prejuízo! Entretanto, será necessário definir com clareza quais são as suas prioridades neste tempo disponível. E claro, será essencial ter muito foco e dedicação!

O QUE REVISAR?

Se você tiver anotações das aulas ou dos conteúdos lidos, é o momento de realizar leituras atentas a fim de fixar e memorizar esses conteúdos.

São eixos importantes a serem explorados nas suas revisões:

Lei Seca: não deixe de ler a legislação. Além de estimular a memória fotográfica, a FGV costuma cobrar questões baseando-se na literalidade da letra de lei.

Princípios e conteúdos bases das matérias: você já sabe que os princípios norteiam o Direito, são eles os definidores de toda a estrutura e fundamentos do sistema jurídico. Sabendo os princípios das matérias cobradas, será mais fácil de interpretar as questões, mesmo que você não tenha domínio de todo o conteúdo pedido.

Simulados e questões anteriores: sabe aqueles simulados que você já resolveu antes? Não deixe eles parados! Reveja os pontos que você errou e tente fazer novamente essas questões, isso auxilia no processo de fixação dos conteúdos e interpretação dos enunciados na hora da prova.

O QUE EU ESTUDO DO “ZERO”?

Existe uma chave principal em se tratando de primeira fase da OAB: ÉTICA!

Essa matéria precisa ter preferência estratégica nos seus estudos, leia o Código de Ética e Disciplina da OAB, bem como o Estatuto da Advocacia! São 8 questões que você pode garantir com uma disciplina de conteúdo simples e curto. Aposte nela!

Além de Ética, existem outras matérias que possuem um conteúdo razoável em relação a quantidade de questões que são cobradas na prova, como por exemplo, Direito do Trabalho, Processo do Trabalho e Constitucional (caso você acerte todas as questões destas matérias, terá uma vantagem de 50 acertos na prova).

COMO REVISAR?

Uma revisão eficiente deve incluir todas as 17 disciplinas cobradas no Exame de Ordem, focando nos pontos mais exigidos pela banca. Para isso, sugerimos que você conheça a Revisão Turbo do CEISC, que ocorrerá entre os dias 6 e 16 de março, onde serão ministradas aulas gratuitas de todas as matérias cobradas no Exame de Ordem. Além das aulas, você poderá participar dos sorteios de bolsas de estudos, livros, vade mecuns e outros brindes incríveis! E aí, vai perder uma baita oportunidade dessas? Clique aqui e se inscreva agora mesmo no evento!

Saiba agora como ter disciplina para estudar para a OAB

Uma das maiores dúvidas de quem está se preparando para a prova da OAB é como ter disciplina para estudar para esse exame. Muitas vezes, o candidato cursa faculdade, trabalha, faz estágio e a rotina de preparação pode se tornar difícil.

Porém, conseguir ficar focado e criar um hábito é fundamental para que o estudo renda e você consiga dar conta de toda a matéria até o dia da prova da OAB, garantindo os pontos necessários para a aprovação.

Para ajudar nessa questão, preparamos este texto com algumas dicas para melhorar a disciplina e se manter focado. Confira!

Crie um plano de estudos estratégico

O primeiro passo para ter disciplina para estudar para a OAB é ter um plano de estudos bem organizado e estratégico. Isso é muito importante para que você não perca a concentração e o foco no meio da leitura, e para saber que assuntos estudar no dia.

Conhecendo, com antecedência, qual será a matéria do dia ou do período de estudo, você poderá se concentrar só nisso e reduzir as chances de focar em outras tarefas que não farão a sua leitura render.

Para isso, organize um plano de estudos em uma planilha, contendo todos os assuntos que você precisa estudar até o dia da prova, deixando alguns dias de descanso para não se sobrecarregar. Seguir esse planejamento com disciplina é fundamental para não perder o foco.

Defina metas

Depois de criar um plano de estudos, não deixe de definir metas. Elas podem ser mensais, semanais e, até mesmo, diárias: isso ajudará a manter o embalo com a leitura e aumentará a sua empolgação com a aprendizagem.

Saber que ao fim da semana você conseguiu atingir uma meta de estudos é fundamental para manter a disciplina, você terá mais ânimo para estudar no próximo período e, assim, criará uma rotina que você pode se acostumar com facilidade.

Escolha um local apropriado

Um ponto muito importante sobre como ter disciplina para estudar, é achar um local apropriado para conseguir se concentrar e ler a matéria com tranquilidade, sem interrupções e que não atrapalhe toda a organização que você fez.

O ideal é não estar perto de barulhos que possam irritar, pessoas que tendem a interromper ou outras situações que façam você perder o foco no estudo. Se possível, tente não ficar com o celular por perto, para não cair na tentação de dar uma olhadinha.

Faça pequenas pausas

Fazer pequenas pausas é uma técnica muito conhecida para manter a concentração na atividade que você está realizando, principalmente para estudar. A ideia aqui é não ficar várias horas estudando sem parar e acabar desmotivado, e muito cansado.

Uma técnica conhecida é a “pomodoro”: você, basicamente, deve estudar por 25 minutos e fazer uma pausa de 5 — aproveite para olhar o celular, se alongar e dar uma caminhada pela casa. Depois de algumas séries, faça um descanso maior de cerca de meia hora.

Com isso, você conseguirá melhorar o seu rendimento de estudo e ter mais disciplina, uma vez que o corpo e a mente estarão mais descansados e acostumados com a leitura das matérias.

Adote técnicas alternativas para a disciplina no estudo

Se com essas dicas você ainda está encontrando dificuldades para ter uma disciplina na hora do estudo, você pode tentar algumas técnicas alternativas para “capacitar o seu cérebro”.

Um bom exemplo, é o desafio dos 21 dias: com ele você tentará criar uma rotina para o seu cérebro que, ao fim, virará uma tarefa comum e você ficará acostumado com isso (e até sentirá falta de estudar!).

Para isso, basta seguir o cronograma de estudos com religiosidade por, pelo menos, 21 dias. No começo você pode querer desistir, mas é fundamental se manter fiel à rotina. No fim do desafio, você terá mais disciplina e o estudo se tornará parte do dia a dia.

Gostou das nossas dicas sobre como ter disciplina para estudar? Não esqueça de que é importante ter um bom material e, principalmente, seguir um curso preparatório especializado!

Se você quer ainda mais dicas para melhorar a sua preparação, não esqueça de acompanhar nosso texto sobre o mapa mental para estudar!

Recursos da 2ª Fase da OAB: tire todas as suas dúvidas

Divulgado o resultado preliminar da 2ª fase do Exame de Ordem, muitos candidatos se depararam com uma correção equivocada da prova. E agora, como proceder? É o momento de interpor um recurso e recuperar aquela pontuação que está faltando para atingir a sonhada aprovação. E como fazer um bom recurso que terá chances de ser aceito pela banca examinadora? No post de hoje vamos lhe ensinar!

Em virtude da prova da 2ª fase do Exame de Ordem ter cunho discursivo, observa-se que, por vezes, os examinadores incorrem em equívocos durante a correção da prova. Tais equívocos podem ser sanados através de recurso para à banca revisora.

Por onde começar?

O candidato que for reprovado na prova prático-profissional deve analisar sua prova com cautela, verificando, criteriosamente, a correção realizada pelo examinador. Desta forma, o candidato entenda que houve equívocos por parte do examinador, com a consequente desconsideração de nota, deve interpor recurso postulando a reforma da correção e, portanto, do resultado.

Além disso, os candidatos devem ficar atentos no que tange ao prazo para a interposição dos recursos. O edital do XXIX Exame de Ordem prevê o prazo de 3 (três) dias para a interposição de recursos, iniciando às 18h do dia 11 de setembro de 2019, encerrando-se às 18h do dia 14 de setembro. (Lembre-se: horário de Brasília).

O recurso deve ser interposto através do site http://oab.fgv.br, exclusivamente.

Tenho muitos apontamentos, devo fazer mais de um recurso?

Não! Cada candidato poderá interpor APENAS UM recurso POR questão discursiva e sobre a peça profissional com o limite de até 5 mil (cinco mil) caracteres cada um. Logo, para cada questão da prova terá um limite de até 5 mil caracteres, e para a peça também terá um limite de 5 mil caracteres (peça toda).

Assim, o recurso não pode ser extenso demais. Convém salientar que não é necessário termos jurídicos ou pesquisas do assunto, quanto mais claro e objetivo o recurso melhor.

Identificação de recurso:

O candidato não pode inserir seu nome no recurso, assim como quaisquer identificações:

 A informação de qualquer dado pessoal ou qualquer outro dado que leve a possível identificação do candidato levará ao indeferimento sumário.

Esclarecemos novamente que o recurso é realizado exclusivamente pelo site da FGV disponibilizado acima. Ou seja, não será aceito recurso enviado por fax, correio eletrônico ou pelos Correios, também não será aceito recurso fora do prazo.

Por fim, frisamos que a decisão dos recursos e o consequente resultado definitivo do XXIX Exame de Ordem serão divulgados na data de 24 de setembro.

Recurso de erros materiais, como fazer? Veja o modelo!

Para aqueles que identificaram apenas erros materiais em suas correções, seguem alguns exemplos de recursos:

– Peça: O candidato, no item 04 da peça, nas linhas 82 e 83 da folha 03, abordou corretamente a tese de atipicidade conforme com o gabarito e o espelho, “trata-se no caso em tela de atipicidade do fato” no entanto, a nota não foi atribuída. Logo, faz jus a 0,55 pontos.

Outrossim, ainda no item 04, nas linhas 78 e 79 da folha 03, o candidato refere “o mesmo não teve dolo de subtrair o bem” cumprindo expressamente o requisito para pontuar, entretanto não pontuando. Frente a isto faz jus a 1,00 ponto.

– Questão: Na questão número 02, item A, folha 07, linhas 01/08, o candidato abordou expressamente que “a prisão de Jorge é irregular, pois Jorge não descumpriu nenhuma medida cautelar” e ainda que “o magistrado deveria apenas ter aplicado uma medida cautelar e não a prisão”, sem ter a nota atribuída para tanto. Requer por isso mais 0,60 pontos.

Precisa de uma ajuda?

O CEISC vai corrigir recursos de alunos!  O CEISC, mais que ninguém, sabe bem como é angustiante redigir um recurso. E é muito bom poder contar com alguém para auxiliar neste momento. Foi pensando nisso, que a Equipe do CEISC vai auxiliá-lo com a correção do seu recurso, na busca da sua tão sonhada aprovação!

Para saber mais acesse este link: correção de recursos: Examinandos do XXIX receberão auxílio em seus recursos.

Esperamos ter ajudado, estamos torcendo pela aprovação de vocês!

Boa sorte e até a próxima!

Descubra como superar reprovação na 2ª fase da OAB e não desistir!

O Exame de Ordem é a avaliação mais importante na carreira de um advogado, já que, sem a qualificação, o profissional não pode exercer a atividade. No entanto, muitas vezes, a aprovação não é conquistada na primeira tentativa — e, se esse for o seu caso, você deve estar se perguntando: como superar reprovação na 2ª fase da OAB?

Em primeiro lugar, é preciso ter em mente que esse tipo de situação pode acontecer, e isso não tem nada a ver com incapacidade ou falta de talento. Passado o período de luto, o próximo passo é superar a bomba, rever as falhas e recomeçar os estudos. Afinal de contas, isso não deve ser encarado como motivo para que você desista dos seus sonhos, certo?

Portanto, mãos à obra! Confira, a seguir, algumas dicas de como superar a reprovação na 2ª fase da OAB e seguir em busca do sucesso. Vamos lá?

Não se culpe

Como você já sabe, na OAB, não há competição entre os candidatos: seu único adversário é você mesmo. Nesse contexto, é certo que a responsabilidade pelo resultado é exclusivamente sua. Porém, ter ciência dos seus autos não significa, necessariamente, que você deve atribuir-se culpa.

Assumir suas responsabilidades e reconhecer os erros permite que você vislumbre uma expectativa de mudança, enquanto a culpabilidade só lhe trará angústia e desperdício de energia. Por isso, não há por que se sentir constrangido pelo fracasso — vergonhoso seria desistir da prova e não tentar de novo.

Faça uma avaliação do seu desempenho

Depois de digerir a situação, é hora de correr atrás do prejuízo. Assim que a poeira baixar, você deve realizar uma análise completa do seu desempenho. É preciso enumerar as razões que possam ter lhe conduzido ao revés no exame, a fim de observar as principais dificuldades.

Com calma, pegue novamente a sua prova, identifique as falhas e destaque, ao lado de cada item, os motivos que o levaram a errar cada questão — pode ser dúvida, desconhecimento, branco, momento de bobeira. Enfim, seja honesto consigo mesmo e defina a causa exata de cada erro. Assim, será mais fácil determinar a qual área, questão ou assunto você precisa direcionar os próximos estudos.

Aprenda com seus erros

Com o seu diagnóstico em mãos, reflita sobre os influenciadores negativos que comprometeram o seu desempenho e estabeleça o compromisso de melhorar cada um desses aspectos.

Se a sua principal dificuldade foi o tempo da prova, por exemplo, busque maneiras eficientes de otimizar a sua gestão de tempo. Já se o maior obstáculo foi em relação aos temas das questões, então, procure reforçar o estudo nessas áreas.

Seja qual for a razão da reprova, é fundamental elaborar um plano de ação e colocá-lo em prática o quanto antes.

Não fique com medo da prova

Apesar de ser comum errar conteúdos específicos sem saber o trivial, o contrário também pode acontecer. Quando se estuda para a 2ª fase do exame da OAB, a tendência é que o candidato dedique mais atenção aos temas difíceis e deixe de lado os fundamentos básicos. A consequência é que, na hora da prova, ele pode ser surpreendido.

Isso significa que você não deve, de forma alguma, superestimar a avaliação — tampouco ter medo dela. Quanto mais tranquilidade tiver nesse momento, melhores serão os resultados obtidos com a próxima tentativa.

Continue os estudos

É natural que você queira tirar uns dias de férias para esfriar a cabeça e se recuperar do baque. No entanto, procure não esticar muito esse período. É preciso encarar esse momento como uma oportunidade, e não como uma ameaça ou incerteza.

Portanto, aproveite o impulso da preparação para o exame anterior e se mantenha firme e forte nos estudos. Ao invés de ficar com medo da prova, fortaleça o seu foco e determinação — afinal de contas, conhecimento nunca se perde, acumula-se.

Falando em estudos, uma solução eficiente é investir em um curso preparatório específico para a prova da OAB. Com um conteúdo direcionado, as chances de conseguir a aprovação aumentam consideravelmente.

Quer se destacar na próxima prova? Então, entre em contato com o CEISC Cursos Preparatórios e descubra como superar reprovação na 2ª fase da OAB!

O que fazer na véspera da OAB 2ª Fase?

A véspera da prova da OAB é um momento de muito nervosismo e ansiedade. Por isso, separamos algumas dicas para ajudá-lo no que fazer na véspera da prova da 2ª Fase. Sendo assim, deixe separado os materiais e a documentação para a prova; diminua o ritmo; coma alimentos leves; revise os conteúdos com professores especialistas; durma bem no dia anterior. Estas são algumas alternativas para driblar a ansiedade e conseguir focar na prova.

Entenda o que é permitido na marcação de Vade Mecum na segunda fase