O Blog OAB na Veia oferece conteúdos gratuitos para você aprovar na OAB. Com conteúdos para a 1ª e a 2ª Fases, você encontra dicas e explicações sobre o que fazer para alcançar seus objetivos na prova. Como as dicas de estudos, que irão ensinar você a se organizar para estudar, driblar o nervosismo e como aplicar novas metodologias. Além disso, as análises dos editais explicam que forma a banca cobra os conteúdos na prova e, também, as principais datas do Exame. Ademais, as notícias deixam você por dentro de todas as novidades sobre as questões polêmicas e outras novidades da FGV. Como interpor recurso, assuntos mais cobrados e por onde começar a estudar são algumas das orientações que os leitores do OAB na Veia têm. Por isso, você não pode deixar de nos acompanhar!

Curso de repescagem OAB: descubra como se preparar!

Um curso de repescagem OAB é uma excelente oportunidade para aqueles que foram aprovados na primeira fase mas reprovaram, foram ausentes ou eliminados da segunda. Nesses casos, é possível optar pela repescagem, realizando novamente a prova prática.

É importante utilizar essa oportunidade para fazer uma boa preparação, principalmente por meio de um Curso de repescagem OAB, que é oferecido com foco nessa prova de acordo com o edital de reaproveitamento da segunda fase.

Para facilitar esse momento, neste texto, mostramos a importância de fazer uma boa preparação e como você deve estudar para a repescagem. Continue a leitura!

Qual é a importância de uma boa preparação para a repescagem?

Fazer uma boa preparação para a repescagem OAB é fundamental para que o candidato tenha mais segurança na hora da prova. Muitas vezes, o edital é lançado antes de serem divulgados os resultados dos recursos da prova anterior.

Sabendo disso, muitos alunos abaixam o rendimento nos estudos ou mesmo deixam de estudar completamente. Não cometa esse erro! É muito importante que você continue sua preparação com muito foco e disciplina, afinal o recurso nem sempre é julgado da forma que se espera.

Aqui é uma boa hora para analisar quais foram seus erros na prova anterior e focar nas áreas em que há mais dificuldade — identificação da peça processual, problemas na argumentação e utilização de base legal, qualificação etc.

Veja o que errou, qual era a resposta correta de acordo com a divulgação da banca e tente se aprofundar nesses assuntos. Dessa forma, você terá mais segurança na repescagem e poderá ter um aproveitamento melhor!

É possível mudar de disciplina na repescagem da OAB?

Uma dúvida muito comum entre os candidatos da OAB que farão a repescagem é se é possível alterar a disciplina para segunda prova. Sim, é possível fazer a mudança da matéria para realizar a segunda fase novamente.

Nessa hora, é preciso pensar com carinho: lembre-se que, se você alterar o assunto, sua preparação começa praticamente do zero. Será preciso estudar novamente o cabimento das peças, os artigos mais importantes, o direcionamento e outras questões.

Então pense bem antes de fazer essa alteração. Se os erros foram pontuais ou por falta de atenção na prova anterior, alterar a disciplina pode não ser uma boa ideia, afinal você já domina a matéria e só precisa trabalhar melhor a ansiedade e o foco.

Vale lembrar, também, que é possível mudar a cidade em que o exame será prestado, se isso for melhor para você. A mudança do estado, contudo, só é permitida com a autorização da Coordenação Nacional do Exame de Ordem.

Como se preparar para repescagem do Exame da Ordem?

Como falamos, uma boa preparação para a repescagem do Exame da Ordem é focar nos erros que foram cometidos na prova anterior, de modo a identificar as suas dificuldades e matar essas questões para a segunda fase.

Mas não é só isso que você deve fazer. A preparação para a repescagem exige um estudo a fundo da matéria, assim como no exame anterior. É essencial não deixar passar nada, afinal a prova será diferente, e podem cair assuntos que ainda não foram vistos.

Quem se ausentou ou foi eliminado na segunda fase também pode fazer a repescagem. Sendo assim, dê uma olhada na primeira prova e veja se conseguiria uma boa nota, analisando tudo o que caiu e que você tem dificuldades.

A dica de ouro aqui é contar com um curso de repescagem OAB, como os que o CEISC oferece. Eles trazem dicas fundamentais para essa hora e são muito importantes para uma boa preparação, tendo em vista que focam exclusivamente nessa prova, oferecendo um bom direcionamento e estudo estratégico para você.

Conseguiu entender melhor como funciona a repescagem OAB e como um curso pode ajudar na preparação?

Então confira as nossas aulas abertas para essa prova e não perca tempo no estudo!

Como funciona a Repescagem da OAB?

A repescagem da OAB é um edital de reaproveitamento da 1ª fase do exame anterior, ele foi pensado para beneficiar os aprovados na 1ª fase, mas que reprovaram na 2ª fase, assim, este candidato tem mais uma tentativa de realizar a 2ª fase do Exame de Ordem!

Inicialmente, você deve estar ciente que a repescagem possui um período de inscrição e um edital próprio e deverá estar atento a esses prazos. No post de hoje vamos falar sobre o reaproveitamento do Exame XXIX e tirar todas as suas dúvidas sobre os estudos dessa modalidade do certame.

Quando será o momento de inscrição para a repescagem?

O edital de reaproveitamento será postado no site da FGV em Setembro e nele constarão as regras de inscrição para reaproveitar a 1ª fase do XXIX Exame.

Quem tem direito a repescagem?

Podem utilizar o reaproveitamento os examinandos aprovados na 1ª fase do XXIX Exame que tenham sido reprovados, ausentes ou eliminados na 2ª fase do XXIX Exame de Ordem Unificado.

Já devo iniciar meus estudos?

Independentemente da posição em que o aluno se encontra, havendo dúvidas sobre a aprovação, uma vez que ainda não foram divulgados os resultados dos recursos, que sairá no dia 24 de setembro, é importante que você inicie seus estudos imediatamente.

Qual a taxa de inscrição do repescagem?

Além de edital separado, a repescagem também conta com valor separado, diferente e metade (ufa) do valor da primeira inscrição feita na OAB, no caso R$ 130,00 (centro e trinta reais), aquela que você fez para participar do XXIX Exame.

E se eu me inscrevi para a 1ª fase estando no repescagem?

Tudo bem, pois é possível se inscrever para a 1ª fase do XXX Exame e ainda se inscrever para reaproveitar a 1ª Fase do XXIX Exame, confuso né? Mas a questão é que se você aprovar na 1ª Fase do XXX Exame já garante a repescagem lá no XXXI Exame. Se inscrevendo nos dois editais fica assim:

Edital da inscrição

1ª Fase XXX

2ª Fase XXX

2ª Fase XXXI

XXX – Candidato se inscreve na 1ª Fase e no reaproveitamento

Realiza no dia 20/10/19

Realiza no dia 1/12/19

Realiza num dia futuro a ser divulgado pela FGV

XXX – Candidato se inscreve somente no reaproveitamento

 

Realiza no dia 1/12/19

 

Posso trocar a área de segunda fase no reaproveitamento?

Sim, você pode alterar sua área de 2ª Fase, mas tenha cuidado, pense com carinho antes de mudar, pois você terá que estudar desde o início uma matéria nova, sem poder aproveitar o estudo anterior.

Além de mudar a área para a prova prático-profissional, você pode alterar a cidade do local de realização da prova também. A alteração de estado é possível em casos excepcionais, mas nestes casos o candidato terá que solicitar à Coordenação Nacional do Exame de Ordem.

Perdi a inscrição da repescagem ou não compareci no dia prova do repescagem, tenho direito ao reaproveitamento no próximo exame?

Em regra não, você não tem direito a usufruir o repescagem em outro exame, caso perca a inscrição ou não compareça no dia da prova, salvo se estiver inscrito na 1ª fase do XXX Exame e aprovar nela, assim, se não comparecer no dia 1/12, poderá realizar a prova da 2ª fase do XXXI Exame, na modalidade repescagem.

Se você precisa de uma segurança na hora de estudar para a 2ª fase, conheça o Garantia CEISC: você pode iniciar o estudo para o repescagem e se seu recurso for aprovado, obter um crédito sobre o valor investido no curso de 2ª Fase, acesse aqui.

Neste vídeo, você também pode conferir mais informações sobre a Repescagem!

Esperamos que tenha gostado das nossas informações! Qualquer dúvida, deixe nos comentários! Não esqueça de enviar esse conteúdo para seus amigos que aproveitarão a repescagem da OAB e de continuar nos acompanhando por aqui.

Abraços e até a próxima!

Saiba por que a questão de Constitucional deveria ter sido anulada

Após o resultado definitivo, é hora de ver quais as questões que foram anuladas no Exame de Ordem. Infelizmente, na edição do Exame XXX não tivemos nenhuma outra anulação. Veja os preceitos jurídicos e razões para que a questão de Constitucional fosse anulada indiscutivelmente.

Estou aguardando o resultado da 2ª fase! O que fazer agora?

O momento de espera do resultado do Exame de Ordem costuma ser muito angustiante. Aguardar pelo resultado que se aproxima faz com que as dúvidas se acumulem e as questões sobre inscrições, resultado da prova, recursos e próximos exames venham à tona. Por isso, com a intenção de sanar eventuais dúvidas, fizemos esta postagem.

Datas importantes

Inicialmente é importante que você que vai prestar o Exame de Ordem compreenda os calendários e suas datas específicas.

  • Inscrição para o exame XXIX: 03/05/2019 a 10/05/2019
  • Divulgação do padrão de resultado preliminar da 2ª fase do exame XXVIII: 24/05/2019
  • Decisão dos recursos do resultado preliminar e resultado definitivo do Exame XXVIII: 05/06/2019
  • Prazo limite para pagar a taxa de inscrição do XXIX Exame: 07/06/2019
  • Publicação do edital de reaproveitamento (repescagem) do XXVIII: 02/07/2019

Com essas datas os candidatos podem começar a programar seus passos daqui para frente, ou seja, definir qual rumo seguir para continuar a batalha rumo a aprovação ou aguardar o tão esperado resultado. Abaixo vamos trazer as respostas para algumas perguntas que recebemos frequentemente durante este período:

Quando devo iniciar meus estudos?

Independentemente da posição em que o aluno se encontra, havendo dúvidas sobre a aprovação é importante que você continue seus estudos imediatamente. O tempo entre a divulgação do resultado e a nova prova é curto, por isso nunca deixe de estudar.

Estou aguardando o resultado da 2ª fase do exame de ordem XXVIII, posso me inscrever para 1ª fase do XXIX?

Sim, o edital veda apenas inscrições simultâneas no mesmo certame referentes ao mesmo edital, como o edital da repescagem será publicado posteriormente não existe proibição.

Como funciona e por que as pessoas também se inscrevem para 1ª fase?

As inscrições para o XXIX Exame de Ordem estarão abertas até dia 10/05.
O resultado preliminar da 2ª Fase do XXVIII Exame de Ordem será publicado apenas dia 24/05, sendo assim, posteriormente ao período de inscrições para o XXIX Exame de Ordem.

Vamos dividir a resposta em dois grupos: 1) os candidatos que prestaram o XXVIII Exame estão na repescagem e; 2) candidatos que prestaram o XXVIII Exame utilizando-se da 1ª tentativa.

Para quem já estava na repescagem no XXVIII Exame de Ordem:

O candidato que já estava na repescagem no XXVIII Exame de Ordem, se eventualmente vier a reprovar terá que prestar novamente a 1ª Fase. Portanto, para evitar que você tenha que aguardar até o XXX Exame de Ordem, nossa sugestão é que você faça sua inscrição na 1ª Fase do XXIX Exame.

O motivo é bem simples, a inscrição para o certame é validada apenas com o pagamento do boleto bancário.

Analisando o cronograma do edital do XXIX Exame de Ordem é possível perceber que as inscrições vão até dia 10/05, porém o prazo limite para o pagamento do boleto de inscrição vai até o dia 07/06.

Ou seja, você pode efetuar sua inscrição normalmente e apenas aguardar o resultado do XXVIII Exame sem fazer o pagamento do boleto referente ao XXIX Exame. Portanto, inscreva-se, ainda que por precaução.

Para quem não estava na repescagem no XXVIII Exame de Ordem:

O candidato que prestou o XXVIII Exame de Ordem sem estar na repescagem, faz jus ao benefício, podendo prestar novamente apenas a 2ª Fase do XXIX Exame de Ordem.

Sendo assim, não se encaixa na situação que tratamos no tópico anterior.

O candidato deve aguardar a publicação do edital de repescagem que tem previsão para estar disponível no dia 02/07/2019.

“Hackeando” a Repescagem

Existe ainda, uma outra hipótese, para examinandos que desejam ter ainda mais segurança. Os cursinhos costumam denominar como “hackear” a repescagem, funciona assim:

O candidato que está aguardando o resultado da 2ª Fase XXVIII pode se inscrever para 1ª Fase do XXIX e efetivamente fazer a prova de 1ª Fase do XXIX Exame. O objetivo da medida é manter o benefício do reaproveitamento.

Assim, o candidato faz a 1ª Fase do XXIX e, se aprovado, fará a 2ª Fase XXIX e ainda, se passar na prova de 1ª Fase, já garante para si o reaproveitamento no XXX Exame.

Ou seja: quem ficar para a repescagem do XXIX pode, fazendo a prova da 1ª fase novamente, buscar uma proteção caso venha a reprovar na repescagem, se garantindo na próxima repescagem, ou seja, a do XXX Exame.

Nossa Equipe acredita que a hipótese acima é totalmente exagerada, porém, se você sentir vontade de utilizá-la cabe a nós informarmos.

Como funciona a repescagem?

Os candidatos que eventualmente não aprovarem na 2ª Fase do Exame de Ordem XXVIII devem aguardar a publicação do edital com todas as informações e a abertura das inscrições para o reaproveitamento no dia 02/07/2019.

Não tenho certeza da minha aprovação, devo fazer minha inscrição para 1ª fase?

Sim, aconselhamos a todos que façam a inscrição. O importante é que você não precisa pagar o boleto antes do resultado, pode aguardar a confirmação da sua aprovação ou não para então efetivar o pagamento.

Gostou das dicas da nossa equipe? Envie este conteúdo para os seus amigos que estão aguardando o resultado da segunda fase da OAB!

Sabia que a inscrição para a OAB exige idoneidade moral? Saiba mais!

Um dos assuntos mais comentados em jornais e portais de notícia, a interligação entre a inscrição OAB e idoneidade moral representa um dos maiores avanços em termos de integridade, princípios e ética no exercício da profissão na área do Direito.

Para quem tem dúvidas do significado do termo, a idoneidade moral pode ser definida como um conjunto de qualidades de uma pessoa que dispõe de boa reputação e um conceito positivo na sociedade em que vive, sendo considerada honesta e honrada por todos.

Nesse contexto, o Conselho Federal da OAB aprovou duas súmulas em que casos de violência cometidos por bacharéis contra mulheres, idosos, crianças e deficientes passam a caracterizar ausência de idoneidade moral — um dos principais requisitos para a conquista da carteira de advogado. Assim, os candidatos ficam impedidos de obter a inscrição na Ordem.

Ficou interessado na questão? Então, continue a leitura e confira tudo sobre inter-relação entre inscrição OAB e idoneidade moral.

Quais são os casos que caracterizam a falta de idoneidade moral?

De acordo com as súmulas publicadas em 18/03/2019, o Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil determinou que a prática de certos casos de violência constitui fator suficiente para demonstrar ausência de idoneidade moral para a inscrição de bacharéis em Direito nos quadros da instituição.

Dessa forma, mesmo nos casos ainda sem decisão judicial, o candidato que se envolver em ocorrências de agressão contra mulheres, idosos, pessoas com deficiência física ou mental, crianças e adolescentes fica impedido de se inscrever na Ordem — consequentemente, sem o registro no órgão, os recém-formados não podem exercer a profissão de advogado.

Logo, os bacharéis e acadêmicos do curso de Direito que tiverem sua idoneidade moral abalada permanecerão com seus processos de inscrição suspensos — pelo menos, até que se obtenha alguma decisão sobre a eventual inidoneidade.

Qual a importância da súmula aprovada pelo Conselho Federal da OAB?

Diante de um preocupante cenário de aumento da violência contra mulheres, idosos, crianças e deficientes, decisões como a súmula aprovada pelo conselho da instituição são consideradas de enorme e relevante importância para a comunidade brasileira como um todo.

Isso porque o parecer demonstra que a OAB não compactua com aqueles que praticam tais atos de agressão, bem como impede que essas pessoas sejam incluídas na sociedade como representantes e defensores da lei. Dessa forma, a Ordem demonstra que esse valor é essencial para a organização.

Como os candidatos podem comprovar sua idoneidade moral?

Que a idoneidade moral é uma virtude importante e necessária, você já sabe. Mas como os candidatos podem demonstrar sua integridade? Segundo a OAB, os bacharéis devem apresentar um atestado de antecedentes criminais no processo de inscrição.

Esse documento traz informações sobre todos os processos e/ou condenações que o postulante tiver em casos de violência. No caso de existência de registros criminais em seu nome, o candidato, automaticamente, fica impedido de dar continuidade ao seu registro.

A inscrição OAB e idoneidade estão completamente interligadas, afinal, um dos principais requisitos para a conquista da carteira de advogado é exatamente a existência da boa índole do candidato. Assim, para uma carreira profissional bem-sucedida, é fundamental que o bacharel disponha de valores que o conduzam à respeitabilidade na sociedade.

E aí, curtiu conhecer mais sobre a relação entre inscrição OAB e idoneidade moral? Então, continue a visita em nosso blog e confira o que é interposição de recurso no exame e como realizá-lo da melhor forma possível. Vamos lá?

Aprenda agora como fazer marcações no Vade Mecum corretamente

Quem vai prestar a segunda fase da OAB precisa saber como fazer anotações no Vade Mecum, afinal, esse é um dos materiais que você pode utilizar para consulta e ele deve estar dentro das regras do edital.

Além dele, também é possível levar súmulas, enunciados e orientações jurisprudenciais organizados, leis de introdução, instruções normativas, regimentos internos, resoluções de tribunais, etc., desde que nada disso esteja comentado.

Fazer anotações incorretamente custa caro: o material pode ser recolhido e, em alguns casos, a prova será anulada e o candidato, eliminado do exame. Por isso, neste conteúdo, nós ensinamos como fazer as marcações sem problemas. Confira!

Utilize códigos sem índices estruturados

A palavra-chave sobre como fazer anotações no Vade Mecum para a prova da OAB é cautela. Depois de meses, ou até mesmo anos, de preparação, é fundamental que tudo esteja de acordo com as regras para não ser desqualificado do exame.

A primeira dica é utilizar um código sem índices estruturados para a peça processual, ou seja, sem “esquemas” ou remissões literais sobre a petição que você deve elaborar na segunda fase da OAB.

Verifique bem o seu Vade Mecum para ter certeza de que o índice não está em desacordo com as regras do edital do exame e não anote nada que possa fazer uma remissão direta à peça processual (como escrever “qualificação” ao lado de um artigo).

Tomando esses cuidados você garantirá que o índice do seu código está de acordo com as regras e ficará mais tranquilo no momento da prova, porque não terá medo de haver alguma coisa errada.

Use caneta marca-texto

A segunda dica é usar caneta marca-texto para fazer grifos no Vade Mecum. Muitas pessoas utilizam várias canetas coloridas, lápis de diferentes tonalidades e outras práticas para marcar o código.

Apesar de essas atitudes não serem contra as regras, tendo em vista que não há limite para as cores utilizadas, elas podem gerar desconfiança — e você perderá tempo durante a prova enquanto o fiscal verifica se está tudo correto.

Além disso, quando o código tem marcações demais, ele vira um “carnaval” e pode gerar mais confusão do que ajudar. Assim, o candidato pode se perder na hora, afinal, ele terá que “decifrar” tudo o que grifou em determinado artigo ou lei e saber o que cada cor significa.

Grife de forma simples e faça remissões

Ao utilizar o marca-texto, grife de forma simples. Como dissemos, fazer rabiscos demais e exagerar na hora de realizar uma anotação pode atrapalhar sua consulta.

Apesar de a utilização de códigos anotados não ser permitida, você poderá fazer remissões a outros artigos da lei. Por exemplo: ao lado de um artigo do Código Civil é possível escrever “V. art. 20 CPC”.

Lembre-se que símbolos, como círculos, asteriscos e flechinhas, não são permitidos. Então, tenha muito cuidado na hora de fazer as suas remissões, pois esses “desenhos” são irregulares.

A dica aqui é ser simples e não exagerar. Grife ou sublinhe o que for mais importante de cada artigo e faça uma pequena remissão. Não circule palavras, artigos ou faça asteriscos ao lado de certos termos para não correr nenhum risco.

Utilize clipes ou os separadores permitidos

A última dica é em relação à separação dos códigos e leis dentro do Vade Mecum. Como ele é um grande compilado das legislações mais importantes do Direito, pode ser difícil e demorado achar o necessário durante a prova.

Como tempo é fundamental nesse momento, você pode fazer a separação de cada legislação, desde que utilize materiais permitidos pelo edital. Portanto, é importante se atentar a todas as disposições.

Você poderá utilizar clipes de papel ou separadores de código, fabricados por editoras, em que não houver nenhuma anotação além da remissão das leis (apenas Código Civil, Código Penal, etc.).

Conhecendo e seguindo essas dicas sobre como fazer anotações no Vade Mecum você irá para a prova mais tranquilo e seguro, afinal, não haverá nenhuma irregularidade que possa excluí-lo do exame e frustrar toda a sua preparação.

Gostou das nossas dicas para fazer suas anotações no Vade Mecum? Aproveite e confira o nosso artigo com um planner de estudos para OAB. Assim você organizará a sua rotina na preparação para a prova!

O que é interposição de recurso? Entenda para que serve

Depois de ter o resultado preliminar da prova da OAB, é preciso saber o que é interposição de recurso para o exame e como construir seus argumentos para conseguir a reversão de uma correção equivocada da banca.

Muitos alunos ainda têm dúvidas sobre como funciona esse procedimento, perdendo prazos ou fazendo recursos que são indeferidos pela banca examinadora, deixando passar uma chance de modificar o resultado.

Para evitar isso, neste post mostraremos o que é a interposição e quais são os prazos para fazer. Também daremos alguma dicar para essa hora. Confira!

O que é a interposição

Interpor um recurso na prova da OAB significa elaborar argumentos para anular ou mudar a interpretação de uma questão de acordo com o gabarito divulgado pela banca organizadora. Para isso, é preciso seguir várias regras divulgadas pelo edital, com o objetivo de conseguir alguns pontos na avaliação.

É permitido fazer um recurso por questão objetiva e discursiva, além de pontos da peça profissional que foi confeccionada durante o exame. Assim, é possível fazer 80 razões para a prova objetiva (uma por questão) e 5 para a segunda fase (4 discursivas e 1 sobre a petição).

A banca organizadora também disponibilizará as digitalizações da folha de resposta de cada candidato; assim, se houver algum erro de leitura das questões objetivas ou discursivas, será possível interpor um recurso com esse argumento.

Também é preciso saber que há um limite de 5.000 caracteres para as razões recursais. Então, no momento de redigir o recurso, é preciso ser direto e objetivo, focando nos pontos-chave para a mudança da questão, sem discutir questões pessoais ou que não estão ligadas ao assunto.

O uso de modelos também deve ser feito com uma certa cautela; as razões do recurso, tanto da parte objetiva quanto da discursiva, não serão analisadas se forem cópias de outros alunos. Portanto, é preciso escrevê-la com as próprias palavras, utilizando as dicas de cursinhos e professores.

Quem julgará esses recursos será a banca recursal, nomeada pela Coordenação Nacional do Exame de Ordem. Essa análise deve ser feita de forma imparcial, portanto, não é possível assinar as razões ou colocar o nome do candidato.

Quais são os prazos do recurso

Sabendo o que é interposição de recurso, você deve conhecer todos os prazos para fazer isso, tendo em vista que os intempestivos não serão julgados pela banca recursal. Quem traz essa regra é o próprio edital da prova da OAB, então é importante conhecê-lo com antecedência.

Como esse prazo varia entre as provas, não é possível seguir um padrão. Para conhecê-lo, procure a última página do edital, em que está o Cronograma Geral de Eventos (geralmente o Anexo V). Nele, estarão descritas todas as datas importantes, inclusive o prazo de interposição de recurso.

O horário também é importante: ele estará descrito no próprio site da FGV, na primeira tela do sistema de interposição de recursos da banca. Geralmente, vai das 12h do primeiro dia do prazo até as 12h do último.

Dicas gerais para fazer o recurso

O primeiro passo para fazer o recurso é identificar os casos em que vale a pena recorrer. Para isso, é preciso verificar todas as suas respostas e analisar quais estão de acordo com leis e entendimentos judiciais, mas a banca não considerou.

Para facilitar essa tarefa, vários cursinhos e professores disponibilizam “primeiras impressões” sobre a prova em cada matéria, inclusive se há possibilidade de interposição de recurso em casos específicos.

Depois disso, basta escrever as razões recursais e interpor o recurso pela plataforma que a banca disponibiliza. Vale lembrar que não adianta recorrer de todas as questões que você errou, mas só daquelas em que realmente há um embasamento.

Agora você já sabe o que é interposição de recurso! Apesar de ser uma via estreita, quando o estudante tem bons argumentos e redige boas razões, é possível ter sucesso no resultado e, inclusive, conseguir a aprovação.

Para complementar essa leitura, confira o nosso passo a passo para o sistema de interposição de recursos!