Estou aguardando o resultado da 2ª fase! O que fazer agora?

O momento de espera do resultado do Exame de Ordem costuma ser muito angustiante. Aguardar pelo resultado que se aproxima faz com que as dúvidas se acumulem e as questões sobre inscrições, resultado da prova, recursos e próximos exames venham à tona. Por isso, com a intenção de sanar eventuais dúvidas, fizemos esta postagem.

Datas importantes

Inicialmente é importante que você que vai prestar o Exame de Ordem compreenda os calendários e suas datas específicas.

  • Inscrição para o exame XXIX: 03/05/2019 a 10/05/2019
  • Divulgação do padrão de resultado preliminar da 2ª fase do exame XXVIII: 24/05/2019
  • Decisão dos recursos do resultado preliminar e resultado definitivo do Exame XXVIII: 05/06/2019
  • Prazo limite para pagar a taxa de inscrição do XXIX Exame: 07/06/2019
  • Publicação do edital de reaproveitamento (repescagem) do XXVIII: 02/07/2019

Com essas datas os candidatos podem começar a programar seus passos daqui para frente, ou seja, definir qual rumo seguir para continuar a batalha rumo a aprovação ou aguardar o tão esperado resultado. Abaixo vamos trazer as respostas para algumas perguntas que recebemos frequentemente durante este período:

Quando devo iniciar meus estudos?

Independentemente da posição em que o aluno se encontra, havendo dúvidas sobre a aprovação é importante que você continue seus estudos imediatamente. O tempo entre a divulgação do resultado e a nova prova é curto, por isso nunca deixe de estudar.

Estou aguardando o resultado da 2ª fase do exame de ordem XXVIII, posso me inscrever para 1ª fase do XXIX?

Sim, o edital veda apenas inscrições simultâneas no mesmo certame referentes ao mesmo edital, como o edital da repescagem será publicado posteriormente não existe proibição.

Como funciona e por que as pessoas também se inscrevem para 1ª fase?

As inscrições para o XXIX Exame de Ordem estarão abertas até dia 10/05.
O resultado preliminar da 2ª Fase do XXVIII Exame de Ordem será publicado apenas dia 24/05, sendo assim, posteriormente ao período de inscrições para o XXIX Exame de Ordem.

Vamos dividir a resposta em dois grupos: 1) os candidatos que prestaram o XXVIII Exame estão na repescagem e; 2) candidatos que prestaram o XXVIII Exame utilizando-se da 1ª tentativa.

Para quem já estava na repescagem no XXVIII Exame de Ordem:

O candidato que já estava na repescagem no XXVIII Exame de Ordem, se eventualmente vier a reprovar terá que prestar novamente a 1ª Fase. Portanto, para evitar que você tenha que aguardar até o XXX Exame de Ordem, nossa sugestão é que você faça sua inscrição na 1ª Fase do XXIX Exame.

O motivo é bem simples, a inscrição para o certame é validada apenas com o pagamento do boleto bancário.

Analisando o cronograma do edital do XXIX Exame de Ordem é possível perceber que as inscrições vão até dia 10/05, porém o prazo limite para o pagamento do boleto de inscrição vai até o dia 07/06.

Ou seja, você pode efetuar sua inscrição normalmente e apenas aguardar o resultado do XXVIII Exame sem fazer o pagamento do boleto referente ao XXIX Exame. Portanto, inscreva-se, ainda que por precaução.

Para quem não estava na repescagem no XXVIII Exame de Ordem:

O candidato que prestou o XXVIII Exame de Ordem sem estar na repescagem, faz jus ao benefício, podendo prestar novamente apenas a 2ª Fase do XXIX Exame de Ordem.

Sendo assim, não se encaixa na situação que tratamos no tópico anterior.

O candidato deve aguardar a publicação do edital de repescagem que tem previsão para estar disponível no dia 02/07/2019.

“Hackeando” a Repescagem

Existe ainda, uma outra hipótese, para examinandos que desejam ter ainda mais segurança. Os cursinhos costumam denominar como “hackear” a repescagem, funciona assim:

O candidato que está aguardando o resultado da 2ª Fase XXVIII pode se inscrever para 1ª Fase do XXIX e efetivamente fazer a prova de 1ª Fase do XXIX Exame. O objetivo da medida é manter o benefício do reaproveitamento.

Assim, o candidato faz a 1ª Fase do XXIX e, se aprovado, fará a 2ª Fase XXIX e ainda, se passar na prova de 1ª Fase, já garante para si o reaproveitamento no XXX Exame.

Ou seja: quem ficar para a repescagem do XXIX pode, fazendo a prova da 1ª fase novamente, buscar uma proteção caso venha a reprovar na repescagem, se garantindo na próxima repescagem, ou seja, a do XXX Exame.

Nossa Equipe acredita que a hipótese acima é totalmente exagerada, porém, se você sentir vontade de utilizá-la cabe a nós informarmos.

Como funciona a repescagem?

Os candidatos que eventualmente não aprovarem na 2ª Fase do Exame de Ordem XXVIII devem aguardar a publicação do edital com todas as informações e a abertura das inscrições para o reaproveitamento no dia 02/07/2019.

Não tenho certeza da minha aprovação, devo fazer minha inscrição para 1ª fase?

Sim, aconselhamos a todos que façam a inscrição. O importante é que você não precisa pagar o boleto antes do resultado, pode aguardar a confirmação da sua aprovação ou não para então efetivar o pagamento.

Gostou das dicas da nossa equipe? Envie este conteúdo para os seus amigos que estão aguardando o resultado da segunda fase da OAB!

Edital XXIX: fique por dentro das informações mais importantes

Vai fazer a OAB em 2019? A prova da metade do ano está se aproximando! E o edital do XXIX Exame foi publicado nesta sexta-feira, dia 3 de maio. A nossa equipe fez uma análise completa e compilou neste post as informações mais relevantes e atualizações trazidas pela banca.

Quer ficar por dentro das principais alterações do edital? Leia este post até o final e anote na sua agenda as considerações mais importantes da nossa equipe.

Cronograma das datas importantes:

Inicialmente, todos os candidatos devem se atentar ao cronograma disponibilizado no edital. Nele, a banca traz todos os prazos importantes sobre a sua inscrição, as provas de primeira e segunda fase, recursos e resultados. A não observância e perda de qualquer um desses prazos, pode acarretar na não-realização da prova, por isso, é de extrema importância que o você tenha ciência de todas as datas. Confira o cronograma:

Inscrição no Exame de Ordem:

Sobre a inscrição é importante se atentar sobre: quem poderá se inscrever e fazer a prova, quando deverá ser feita a inscrição e quando deverá ser realizado o pagamento da taxa.

Quem pode se inscrever?

– Bacharéis em Direito (formados na graduação);

– Bacharéis em Direito com a colação pendente;

– Estudantes de Direito que comprovem estar matriculados nos dois semestres (nono e décimo semestre da graduação) ou no último ano do curso de graduação em Direito até primeiro semestre de 2019;

E para quem faz cadeiras de diferentes semestres, como saber se já é possível prestar a avaliação? Responda a seguinte pergunta: falta um ano para você se formar? Se sim, você poderá fazer a prova.

Prazo de inscrição

A partir do dia 03 de maio, às 17h o candidato já poderá realizar a sua inscrição no site da FGV. A inscrição é aceita apenas pelo site e deve ser submetida até o dia 10 de maio, às 17h, pelo horário oficial de Brasília. Não deixe para se inscrever no último dia!

É no processo de inscrição que você deverá preencher os seus dados completos, selecionar a seccional em que realizará a prova e escolher qual a sua área de segunda fase. Está com dúvida de qual segunda fase escolher? Faça o teste vocacional que a equipe CEISC montou para quem ainda está indeciso!

Muita atenção aqui! A seccional escolhida deverá ser a mesma da cidade de conclusão da sua faculdade ou do seu endereço de domicílio eleitoral. Caso você faça a prova em outro local, é necessário requerer essa alteração até o dia 10 de maio, às 17h, justificando a razão. Caso contrário, sua prova será invalidada.   

Valor e prazo do pagamento da inscrição:

Para homologar a inscrição, é necessário efetuar o pagamento do boleto de inscrição, cuja taxa é de R$260,00 (duzentos e sessenta reais). Aqui, não tivemos nenhuma novidade sobre os valores (ainda bem), essa taxa não sofreu aumento desde maio de 2017.

Os dados devem ser preenchidos com atenção, pois não poderão ser alterados depois do pagamento da inscrição. Falando no pagamento do boleto, este poderá ser reimpresso e deverá ser pago até o dia 07 de junho, impreterivelmente.

Fez a inscrição com alguma informação incorreta? Basta fazer nova inscrição e efetuar o pagamento apenas daquela que você deseja validar e homologar.

Isenção do pagamento da inscrição:

Os candidatos que podem solicitar a isenção da taxa da inscrição, devem atender, de forma cumulativa, os seguintes requisitos:

  1. Estar inscrito no CadÚnico;
  2. Ser membro de família baixa renda – nos termos do decreto 6.135, que trata sobre CadÚnico.

A isenção deverá ser solicitada mediante requerimento do examinando, disponível em campo específico no link de inscrição, no mesmo período das inscrições, no endereço eletrônico http://oab.fgv.br.

A FGV irá averiguar tais informações, analisar os pedidos e divulgar os pedidos deferidos até o dia 25 de maio no site da FGV. Os pedidos indeferidos poderão ser reanalisados, mediante requerimento.

Atendimento especial:

Os examinandos com deficiência que necessitarem de prova ou atendimento especial, devem indicar no formulário de solicitação de inscrição, os recursos necessários para cada fase do Exame, até o dia 10 de via SEDEX, para a sede da FGV estipulada no edital do local preterido, informações completas de endereço de envio do formulário constam em edital.

Repescagem:

Para aqueles candidatos que eventualmente reprovarem no XXVIII Exame de Ordem as informações sobre a repescagem estarão dispostas no edital complementar com publicação prevista para o dia 02/07/2019.

Materiais permitidos e proibidos:

Na segunda fase, os candidatos poderão utilizar a legislação com remissões e marcações. Confira a lista de materiais:

Veja o infográfico comparativo das remissões e marcações permitidas na segunda fase do Exame de Ordem clicando aqui.

E a contagem regressiva começou! Faltam menos de 60 dias para a prova! Precisando de uma preparação objetiva e intensiva? Conheça o curso Intensivo de Emergência! Estudo organizado e estratégico para a primeira fase da OAB!

E aí, gostou das informações? Lembre-se de salvar as datas do cronograma para não perder nenhum prazo importante e de ler o edital para sanar eventuais dúvidas!

Sabia que a inscrição para a OAB exige idoneidade moral? Saiba mais!

Um dos assuntos mais comentados em jornais e portais de notícia, a interligação entre a inscrição OAB e idoneidade moral representa um dos maiores avanços em termos de integridade, princípios e ética no exercício da profissão na área do Direito.

Para quem tem dúvidas do significado do termo, a idoneidade moral pode ser definida como um conjunto de qualidades de uma pessoa que dispõe de boa reputação e um conceito positivo na sociedade em que vive, sendo considerada honesta e honrada por todos.

Nesse contexto, o Conselho Federal da OAB aprovou duas súmulas em que casos de violência cometidos por bacharéis contra mulheres, idosos, crianças e deficientes passam a caracterizar ausência de idoneidade moral — um dos principais requisitos para a conquista da carteira de advogado. Assim, os candidatos ficam impedidos de obter a inscrição na Ordem.

Ficou interessado na questão? Então, continue a leitura e confira tudo sobre inter-relação entre inscrição OAB e idoneidade moral.

Quais são os casos que caracterizam a falta de idoneidade moral?

De acordo com as súmulas publicadas em 18/03/2019, o Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil determinou que a prática de certos casos de violência constitui fator suficiente para demonstrar ausência de idoneidade moral para a inscrição de bacharéis em Direito nos quadros da instituição.

Dessa forma, mesmo nos casos ainda sem decisão judicial, o candidato que se envolver em ocorrências de agressão contra mulheres, idosos, pessoas com deficiência física ou mental, crianças e adolescentes fica impedido de se inscrever na Ordem — consequentemente, sem o registro no órgão, os recém-formados não podem exercer a profissão de advogado.

Logo, os bacharéis e acadêmicos do curso de Direito que tiverem sua idoneidade moral abalada permanecerão com seus processos de inscrição suspensos — pelo menos, até que se obtenha alguma decisão sobre a eventual inidoneidade.

Qual a importância da súmula aprovada pelo Conselho Federal da OAB?

Diante de um preocupante cenário de aumento da violência contra mulheres, idosos, crianças e deficientes, decisões como a súmula aprovada pelo conselho da instituição são consideradas de enorme e relevante importância para a comunidade brasileira como um todo.

Isso porque o parecer demonstra que a OAB não compactua com aqueles que praticam tais atos de agressão, bem como impede que essas pessoas sejam incluídas na sociedade como representantes e defensores da lei. Dessa forma, a Ordem demonstra que esse valor é essencial para a organização.

Como os candidatos podem comprovar sua idoneidade moral?

Que a idoneidade moral é uma virtude importante e necessária, você já sabe. Mas como os candidatos podem demonstrar sua integridade? Segundo a OAB, os bacharéis devem apresentar um atestado de antecedentes criminais no processo de inscrição.

Esse documento traz informações sobre todos os processos e/ou condenações que o postulante tiver em casos de violência. No caso de existência de registros criminais em seu nome, o candidato, automaticamente, fica impedido de dar continuidade ao seu registro.

A inscrição OAB e idoneidade estão completamente interligadas, afinal, um dos principais requisitos para a conquista da carteira de advogado é exatamente a existência da boa índole do candidato. Assim, para uma carreira profissional bem-sucedida, é fundamental que o bacharel disponha de valores que o conduzam à respeitabilidade na sociedade.

E aí, curtiu conhecer mais sobre a relação entre inscrição OAB e idoneidade moral? Então, continue a visita em nosso blog e confira o que é interposição de recurso no exame e como realizá-lo da melhor forma possível. Vamos lá?

Aprenda agora como fazer marcações no Vade Mecum corretamente

Quem vai prestar a segunda fase da OAB precisa saber como fazer anotações no Vade Mecum, afinal, esse é um dos materiais que você pode utilizar para consulta e ele deve estar dentro das regras do edital.

Além dele, também é possível levar súmulas, enunciados e orientações jurisprudenciais organizados, leis de introdução, instruções normativas, regimentos internos, resoluções de tribunais, etc., desde que nada disso esteja comentado.

Fazer anotações incorretamente custa caro: o material pode ser recolhido e, em alguns casos, a prova será anulada e o candidato, eliminado do exame. Por isso, neste conteúdo, nós ensinamos como fazer as marcações sem problemas. Confira!

Utilize códigos sem índices estruturados

A palavra-chave sobre como fazer anotações no Vade Mecum para a prova da OAB é cautela. Depois de meses, ou até mesmo anos, de preparação, é fundamental que tudo esteja de acordo com as regras para não ser desqualificado do exame.

A primeira dica é utilizar um código sem índices estruturados para a peça processual, ou seja, sem “esquemas” ou remissões literais sobre a petição que você deve elaborar na segunda fase da OAB.

Verifique bem o seu Vade Mecum para ter certeza de que o índice não está em desacordo com as regras do edital do exame e não anote nada que possa fazer uma remissão direta à peça processual (como escrever “qualificação” ao lado de um artigo).

Tomando esses cuidados você garantirá que o índice do seu código está de acordo com as regras e ficará mais tranquilo no momento da prova, porque não terá medo de haver alguma coisa errada.

Use caneta marca-texto

A segunda dica é usar caneta marca-texto para fazer grifos no Vade Mecum. Muitas pessoas utilizam várias canetas coloridas, lápis de diferentes tonalidades e outras práticas para marcar o código.

Apesar de essas atitudes não serem contra as regras, tendo em vista que não há limite para as cores utilizadas, elas podem gerar desconfiança — e você perderá tempo durante a prova enquanto o fiscal verifica se está tudo correto.

Além disso, quando o código tem marcações demais, ele vira um “carnaval” e pode gerar mais confusão do que ajudar. Assim, o candidato pode se perder na hora, afinal, ele terá que “decifrar” tudo o que grifou em determinado artigo ou lei e saber o que cada cor significa.

Grife de forma simples e faça remissões

Ao utilizar o marca-texto, grife de forma simples. Como dissemos, fazer rabiscos demais e exagerar na hora de realizar uma anotação pode atrapalhar sua consulta.

Apesar de a utilização de códigos anotados não ser permitida, você poderá fazer remissões a outros artigos da lei. Por exemplo: ao lado de um artigo do Código Civil é possível escrever “V. art. 20 CPC”.

Lembre-se que símbolos, como círculos, asteriscos e flechinhas, não são permitidos. Então, tenha muito cuidado na hora de fazer as suas remissões, pois esses “desenhos” são irregulares.

A dica aqui é ser simples e não exagerar. Grife ou sublinhe o que for mais importante de cada artigo e faça uma pequena remissão. Não circule palavras, artigos ou faça asteriscos ao lado de certos termos para não correr nenhum risco.

Utilize clipes ou os separadores permitidos

A última dica é em relação à separação dos códigos e leis dentro do Vade Mecum. Como ele é um grande compilado das legislações mais importantes do Direito, pode ser difícil e demorado achar o necessário durante a prova.

Como tempo é fundamental nesse momento, você pode fazer a separação de cada legislação, desde que utilize materiais permitidos pelo edital. Portanto, é importante se atentar a todas as disposições.

Você poderá utilizar clipes de papel ou separadores de código, fabricados por editoras, em que não houver nenhuma anotação além da remissão das leis (apenas Código Civil, Código Penal, etc.).

Conhecendo e seguindo essas dicas sobre como fazer anotações no Vade Mecum você irá para a prova mais tranquilo e seguro, afinal, não haverá nenhuma irregularidade que possa excluí-lo do exame e frustrar toda a sua preparação.

Gostou das nossas dicas para fazer suas anotações no Vade Mecum? Aproveite e confira o nosso artigo com um planner de estudos para OAB. Assim você organizará a sua rotina na preparação para a prova!

Planner de estudos: como montá-lo e organizar a sua rotina

O planner de estudos é uma ferramenta que pode auxiliar os alunos durante preparação para o Exame de Ordem. Existem vários formatos de planners e para com finalidades diversas, você deve buscar aquele que melhor atende as suas necessidades e disponibilidades.

É claro que é necessária uma boa fonte de material para estudar, assim como aulas ou vídeo-aulas, mas a organização do estudo também é essencial para aprovação!

Assim, o planner vem para auxiliar o aluno a preparar seu cronograma de estudo, tem como objetivo organizar as matérias, conteúdos e as tarefas a serem realizadas, de acordo com a disponibilidade da agenda de cada um. Vamos aprender a organizar o seu?

Etapas para organização do seu planner:

1 – Faça o levantamento em tópicos de matérias/conteúdos que deve estudar para o seu exame;

2 – Verifique quais são as tarefas destinas a cada um desses conteúdos, por exemplo, se você deve ler a lei, praticar com uma peça processual ou questões, ver também uma vídeo-aula sobre o assunto, realizar um simulado, etc.;

3 – Selecione o dia que você realizará a tarefa. O planner deve conter um planejamento semanal ou mensal para que você distribua neles os conteúdos e atividades que realizará até completar o seu estudo, antes da prova (é claro!);

4 – Verifique quais são os conteúdos que deve revisar porque ainda não fixou bem a matéria;

5 – Por fim e mais importante, comprometa-se em cumprir o seu planner de estudo!

Ajuste sua rotina de estudo:

É claro que não basta só organizar os estudos, é preciso colocar em prática! Ajuste a sua rotina para que consiga seguir seu cronograma de estudo, na hora de montar seu planner é preciso pensá-lo de forma eficaz, isto é, não adianta comprometer oito horas do seu dia para estudar, se você não tem oito horas do dia sobrando ou não consegue atingir esse ritmo de estudo (ainda), permita-se intervalos e também aumentar o ritmo gradativamente, assim você conseguirá se acostumar com o rotina de estudo sem dormir em cima dos livros!

Veja um modelo de planner de estudo:

Esse modelo de planner de estudo foi disponibilizado pela equipe CEISC nos cursos de 2ª fase da OAB, nele já estão estipulados os conteúdos que devem ser estudados para a prova e as tarefas a serem realizadas durante o curso (aí fica mais fácil, né? Já vem prontinho! Hehe), o aluno apenas precisa adequar as tarefas à sua agenda e cumprir suas metas:

Agora que você já sabe como organizar o seu estudo a partir de um planner, comece desde logo a organizar seu material de estudo e sua rotina!

E se você gostou do nosso texto, aproveite para compartilhar essas dicas nas suas redes sociais.

Saiba agora como ter disciplina para estudar para a OAB

Uma das maiores dúvidas de quem está se preparando para a prova da OAB é como ter disciplina para estudar para esse exame. Muitas vezes, o candidato cursa faculdade, trabalha, faz estágio e a rotina de preparação pode se tornar difícil.

Porém, conseguir ficar focado e criar um hábito é fundamental para que o estudo renda e você consiga dar conta de toda a matéria até o dia da prova da OAB, garantindo os pontos necessários para a aprovação.

Para ajudar nessa questão, preparamos este texto com algumas dicas para melhorar a disciplina e se manter focado. Confira!

Crie um plano de estudos estratégico

O primeiro passo para ter disciplina para estudar para a OAB é ter um plano de estudos bem organizado e estratégico. Isso é muito importante para que você não perca a concentração e o foco no meio da leitura, e para saber que assuntos estudar no dia.

Conhecendo, com antecedência, qual será a matéria do dia ou do período de estudo, você poderá se concentrar só nisso e reduzir as chances de focar em outras tarefas que não farão a sua leitura render.

Para isso, organize um plano de estudos em uma planilha, contendo todos os assuntos que você precisa estudar até o dia da prova, deixando alguns dias de descanso para não se sobrecarregar. Seguir esse planejamento com disciplina é fundamental para não perder o foco.

Defina metas

Depois de criar um plano de estudos, não deixe de definir metas. Elas podem ser mensais, semanais e, até mesmo, diárias: isso ajudará a manter o embalo com a leitura e aumentará a sua empolgação com a aprendizagem.

Saber que ao fim da semana você conseguiu atingir uma meta de estudos é fundamental para manter a disciplina, você terá mais ânimo para estudar no próximo período e, assim, criará uma rotina que você pode se acostumar com facilidade.

Escolha um local apropriado

Um ponto muito importante sobre como ter disciplina para estudar, é achar um local apropriado para conseguir se concentrar e ler a matéria com tranquilidade, sem interrupções e que não atrapalhe toda a organização que você fez.

O ideal é não estar perto de barulhos que possam irritar, pessoas que tendem a interromper ou outras situações que façam você perder o foco no estudo. Se possível, tente não ficar com o celular por perto, para não cair na tentação de dar uma olhadinha.

Faça pequenas pausas

Fazer pequenas pausas é uma técnica muito conhecida para manter a concentração na atividade que você está realizando, principalmente para estudar. A ideia aqui é não ficar várias horas estudando sem parar e acabar desmotivado, e muito cansado.

Uma técnica conhecida é a “pomodoro”: você, basicamente, deve estudar por 25 minutos e fazer uma pausa de 5 — aproveite para olhar o celular, se alongar e dar uma caminhada pela casa. Depois de algumas séries, faça um descanso maior de cerca de meia hora.

Com isso, você conseguirá melhorar o seu rendimento de estudo e ter mais disciplina, uma vez que o corpo e a mente estarão mais descansados e acostumados com a leitura das matérias.

Adote técnicas alternativas para a disciplina no estudo

Se com essas dicas você ainda está encontrando dificuldades para ter uma disciplina na hora do estudo, você pode tentar algumas técnicas alternativas para “capacitar o seu cérebro”.

Um bom exemplo, é o desafio dos 21 dias: com ele você tentará criar uma rotina para o seu cérebro que, ao fim, virará uma tarefa comum e você ficará acostumado com isso (e até sentirá falta de estudar!).

Para isso, basta seguir o cronograma de estudos com religiosidade por, pelo menos, 21 dias. No começo você pode querer desistir, mas é fundamental se manter fiel à rotina. No fim do desafio, você terá mais disciplina e o estudo se tornará parte do dia a dia.

Gostou das nossas dicas sobre como ter disciplina para estudar? Não esqueça de que é importante ter um bom material e, principalmente, seguir um curso preparatório especializado!

Se você quer ainda mais dicas para melhorar a sua preparação, não esqueça de acompanhar nosso texto sobre o mapa mental para estudar!

Como funciona a Repescagem da OAB?

A repescagem da OAB é um edital de reaproveitamento da 1ª fase do exame anterior, ele foi pensado para beneficiar os aprovados na 1ª fase, mas que reprovaram na 2ª fase, assim, este candidato tem mais uma tentativa de realizar a 2ª fase do Exame de Ordem!

Inicialmente, você deve estar ciente que a repescagem possui um período de inscrição e um edital próprio e deverá estar atento a esses prazos. No post de hoje vamos falar sobre o reaproveitamento do Exame XXVII e tirar todas as suas dúvidas sobre os estudos dessa modalidade do certame.

Quando será o momento de inscrição para a repescagem?

O edital de reaproveitamento foi postado hoje (dia 19 de fevereiro de 2019). Nele consta as regras de inscrição para reaproveitar a 1ª fase do XXVII Exame.

Quem tem direito a repescagem?

Podem utilizar o reaproveitamento os examinandos aprovados na 1ª fase do XXVII Exame que tenham sido reprovados, ausentes ou eliminados na 2ª fase do XXVII Exame de Ordem Unificado.

Já devo iniciar meus estudos?

Independentemente da posição em que o aluno se encontra, havendo dúvidas sobre a aprovação, uma vez que ainda não foram divulgados os resultados dos recursos, que sairá no dia 26 de fevereiro, é importante que você inicie seus estudos imediatamente.

Qual a taxa de inscrição do repescagem?

Além de edital separado, a repescagem também conta com valor separado, diferente e metade (ufa) do valor da primeira inscrição feita na OAB, aquela que você fez para participar do XXVII Exame.

E se eu me inscrevi para a 1ª fase estando no repescagem?

Tudo bem, pois é possível se inscrever para a 1ª fase do XXVIII Exame e ainda se inscrever para reaproveitar a 1ª Fase do XXVII Exame, confuso né? Mas a questão é que se você aprovar na 1ª Fase do XXVIII Exame já garante a repescagem lá no XXIX Exame. Se inscrevendo nos dois editais fica assim:

Posso trocar a área de segunda fase no reaproveitamento?

Sim, você pode alterar sua área de 2ª Fase, mas tenha cuidado, pense com carinho antes de mudar, pois você terá que estudar desde o início uma matéria nova, sem poder aproveitar o estudo anterior.

Além de mudar a área para a prova prático-profissional, você pode alterar a cidade do local de realização da prova também. A alteração de estado é possível em casos excepcionais, mas nestes casos o candidato terá que solicitar à Coordenação Nacional do Exame de Ordem.

Perdi a inscrição da repescagem ou não compareci no dia prova do repescagem, tenho direito ao reaproveitamento no próximo exame?

Em regra não, você não tem direito a usufruir o repescagem em outro exame, caso perca a inscrição ou não compareça no dia da prova, salvo se estiver inscrito na 1ª fase do XXVIII Exame e aprovar nela, assim, se não comparecer no dia 05/05, poderá realizar a prova da 2ª fase do XIX Exame, na modalidade repescagem.

Se você precisa de uma segurança na hora de estudar para a 2ª fase, conheça o Garantia CEISC: você pode iniciar o estudo para o repescagem e se seu recurso for aprovado, obter um crédito sobre o valor investido no curso de 2ª Fase, acesse aqui.

Esperamos que tenha gostado das nossas informações! Qualquer dúvida, deixe nos comentários! Não esqueça de enviar esse conteúdo para seus amigos que aproveitarão a repescagem da OAB e de continuar nos acompanhando por aqui. Abraços e até a próxima!

Recursos da 2ª Fase da OAB: tire todas as suas dúvidas

Divulgado o resultado preliminar da 2ª fase do Exame de Ordem, muitos candidatos se depararam com uma correção equivocada da prova. E agora, como proceder? É o momento de interpor um recurso e recuperar aquela pontuação que está faltando para atingir a sonhada aprovação. E como fazer um bom recurso que terá chances de ser aceito pela banca examinadora? No post de hoje vamos lhe ensinar!

Em virtude da prova da 2ª fase do Exame de Ordem ter cunho discursivo, observa-se que, por vezes, os examinadores incorrem em equívocos durante a correção da prova. Tais equívocos podem ser sanados através de recurso para à banca revisora.

Por onde começar?

O candidato que for reprovado na prova prático-profissional deve analisar sua prova com cautela, verificando, criteriosamente, a correção realizada pelo examinador. Desta forma, o candidato entenda que houve equívocos por parte do examinador, com a consequente desconsideração de nota, deve interpor recurso postulando a reforma da correção e, portanto, do resultado.

Além disso, os candidatos devem ficar atentos no que tange ao prazo para a interposição dos recursos. O edital do XXVII Exame de Ordem prevê o prazo de 3 (três) dias para a interposição de recursos, iniciando a contagem do prazo no dia 13 de fevereiro, a partir das 12h, encerrando-se às 12h do dia 16 de fevereiro. (Lembrem-se: horário de Brasília).

O recurso deve ser interposto através do site http://oab.fgv.br, exclusivamente.

Tenho muitos apontamentos, devo fazer mais de um recurso?

Não! Cada candidato poderá interpor APENAS UM recurso POR questão discursiva e sobre a peça profissional com o limite de até 5 mil (cinco mil) caracteres cada um. Logo, para cada questão da prova terá um limite de até 5 mil caracteres, e para a peça também terá um limite de 5 mil caracteres (peça toda).

Assim, o recurso não pode ser extenso demais. Convém salientar que não é necessário termos jurídicos ou pesquisas do assunto, quanto mais claro e objetivo o recurso melhor.

Identificação de recurso:

O candidato não pode inserir seu nome no recurso, assim como quaisquer identificações:

 A informação de qualquer dado pessoal ou qualquer outro dado que leve a possível identificação do candidato levará ao indeferimento sumário.

Esclarecemos novamente que o recurso é realizado exclusivamente pelo site da FGV disponibilizado acima. Ou seja, não será aceito recurso enviado por fax, correio eletrônico ou pelos Correios, também não será aceito recurso fora do prazo.

Por fim, frisamos que a decisão dos recursos e o consequente resultado definitivo do XXVII Exame de Ordem serão divulgados na data de 26 de fevereiro.

Recurso de erros materiais, como fazer? Veja o modelo!

Para aqueles que identificaram apenas erros materiais em suas correções, seguem alguns exemplos de recursos:

– Peça: O candidato, no item 04 da peça, nas linhas 82 e 83 da folha 03, abordou corretamente a tese de atipicidade conforme com o gabarito e o espelho, “trata-se no caso em tela de atipicidade do fato” no entanto, a nota não foi atribuída. Logo, faz jus a 0,55 pontos.

Outrossim, ainda no item 04, nas linhas 78 e 79 da folha 03, o candidato refere “o mesmo não teve dolo de subtrair o bem” cumprindo expressamente o requisito para pontuar, entretanto não pontuando. Frente a isto faz jus a 1,00 ponto.

– Questão: Na questão número 02, item A, folha 07, linhas 01/08, o candidato abordou expressamente que “a prisão de Jorge é irregular, pois Jorge não descumpriu nenhuma medida cautelar” e ainda que “o magistrado deveria apenas ter aplicado uma medida cautelar e não a prisão”, sem ter a nota atribuída para tanto. Requer por isso mais 0,60 pontos.

Precisa de uma ajuda?

O CEISC vai corrigir recursos de alunos!  O CEISC, mais que ninguém, sabe bem como é angustiante redigir um recurso. E é muito bom poder contar com alguém para auxiliar neste momento. Foi pensando nisso, que a Equipe do CEISC vai auxiliá-lo com a correção do seu recurso, na busca da sua tão sonhada aprovação!

Para saber mais acesse este link: correção de recursos: Examinandos do XXVII receberão auxílio em seus recursos.

Esperamos ter ajudado, estamos torcendo pela aprovação de vocês!

Boa sorte e até a próxima!

Fiz a prova da OAB, e agora? Qual o primeiro passo para investir na minha carreira?

Passada a intensa preparação para a prova da OAB, chega o momento de pensar na sua carreira e de se questionar, qual o primeiro passo para atingir suas metas e sonhos profissionais? Hoje em dia, considerando a demanda do mercado de trabalho, ter um diploma de graduação é importante, porém, não basta para caracterizar um diferencial.

Para isso, devem ser aliados às capacidades do candidato, cursos de extensão, aperfeiçoamentos e até mesmo uma pós-graduação, que garante aprofundamento do tema escolhido, aperfeiçoamento da teoria e a possibilidade de ampliação do estudo por meio de casos práticos.

Pós-graduação, Lato ou Stricto?

Primeiramente, é importante esclarecer que existem dois tipos de pós-graduação e também as diferenças entre estas duas modalidades, que são Lato sensu e Stricto sensu.

A pós-graduação Lato Sensu compreende as especializações e o MBA, que são voltados para a prática e o mercado de trabalho, focados em quem busca se aperfeiçoar em uma área específica de atuação. Já a pós-graduação Stricto Sensu compreende os programas de mestrado e doutorado, sendo voltadas para a área acadêmica e para a carreira de docente, ou seja, para quem deseja se tornar professor universitário ou pesquisador.

O primeiro passo para o crescimento profissional

O foco de um curso de pós-graduação Lato Sensu (mais conhecido como Especialização) são os casos práticos, isto é, os problemas e as demandas que se apresentam no cotidiano da vida de um advogado, de um concursado, de um bacharel… Por vezes, esse viés empírico não é muito abordado na graduação, a qual possui um caráter mais teórico, em regra.

Ademais, os cursos de graduação em Direito são muito abrangentes, pois abordam praticamente todas as áreas possíveis de atuação jurídica. Portanto, aprofundar o conteúdo é essencial para compreender tecnicamente as demandas provenientes de uma área específica, da forma complexa que se apresenta no dia-a-dia.

Um curso de pós-graduação, assim como proporciona o desenvolvimento da carreira, também possibilita a mudança de área, sendo o primeiro passo para quem deseja seguir outro caminho. Por exemplo, se você durante a faculdade, não teve oportunidade em atuar na área jurídica e agora, bacharel, está procurando se inserir neste contexto, realizar um curso de pós-graduação na área desejada é o primeiro impulso para concretização do seu objetivo.

Qual área escolher?

A escolha da área de especialização é o passo mais fácil, basta seguir o caminho daquilo que lhe traz o retorno desejado, seja pessoal, profissional ou financeiro. Porém, escolher o curso de pós-graduação certo para isso pode não ser uma tarefa tão fácil.

O mercado oferece diversas opções de pós-graduação, porém muitas vezes elas não irão se encaixar exatamente no ramo de atuação que você deseja, portanto, cabe a realização de uma pesquisa e também da busca por informações junto às instituições, pelos módulos que a pós-graduação oferece.

Um exemplo prático disso é a pós-graduação em Direito Público, oferecida pelo CEISC em parceria com a Universidade de Santa Cruz do Sul – UNISC, que, dentro de sua grade, possui os módulos de Direito Tributário, Previdenciário, Constitucional e Administrativo, o que dá ao aluno a chance de se aprimorar na área de seu interesse, dentro de uma pós-graduação mais abrangente.

Apesar disso, não são todas as pós-graduações que oferecem cursos tão abrangentes. O modelo disso é a pós-graduação em Direito Penal e Processo Penal que também faz parte da parceria CEISC/UNISC: nela, o foco é todo na área criminal, com três módulos, o primeiro em Processo Penal, seguido do módulo em Direito Penal e Crimes em Espécie e por fim o módulo em Execução Penal, Leis Especiais e Temas Contemporâneos de Direito Penal e Processo Penal.

Já para aqueles que tiveram a oportunidade de realizar um estágio durante seu período de graduação nas áreas jurídicas, podem seguir suas carreiras em áreas como a cível, aproveitando a oportunidade que já tiveram para dar sequência aos estudos com uma pós-graduação em Direito Civil.

No mercado de trabalho, as qualificações profissionais ganham enfoque e portanto, um currículo que possua um curso de pós-graduação se torna mais competitivo e atrativo, bem como propicia mair empregabilidade, pois gera a sensação para o recrutador de que aquele candidato tem um conhecimento consolidado em uma área específica.

Em suma, cursar uma pós-graduação de qualidade, encurta o caminho para uma carreira de sucesso!

Se você tem interesse em se especializar, não deixe de conhecer nossos cursos de pós-graduação, clique aqui!