Edital XXIX: fique por dentro das informações mais importantes

Vai fazer a OAB em 2019? A prova da metade do ano está se aproximando! E o edital do XXIX Exame foi publicado nesta sexta-feira, dia 3 de maio. A nossa equipe fez uma análise completa e compilou neste post as informações mais relevantes e atualizações trazidas pela banca.

Quer ficar por dentro das principais alterações do edital? Leia este post até o final e anote na sua agenda as considerações mais importantes da nossa equipe.

Cronograma das datas importantes:

Inicialmente, todos os candidatos devem se atentar ao cronograma disponibilizado no edital. Nele, a banca traz todos os prazos importantes sobre a sua inscrição, as provas de primeira e segunda fase, recursos e resultados. A não observância e perda de qualquer um desses prazos, pode acarretar na não-realização da prova, por isso, é de extrema importância que o você tenha ciência de todas as datas. Confira o cronograma:

Inscrição no Exame de Ordem:

Sobre a inscrição é importante se atentar sobre: quem poderá se inscrever e fazer a prova, quando deverá ser feita a inscrição e quando deverá ser realizado o pagamento da taxa.

Quem pode se inscrever?

– Bacharéis em Direito (formados na graduação);

– Bacharéis em Direito com a colação pendente;

– Estudantes de Direito que comprovem estar matriculados nos dois semestres (nono e décimo semestre da graduação) ou no último ano do curso de graduação em Direito até primeiro semestre de 2019;

E para quem faz cadeiras de diferentes semestres, como saber se já é possível prestar a avaliação? Responda a seguinte pergunta: falta um ano para você se formar? Se sim, você poderá fazer a prova.

Prazo de inscrição

A partir do dia 03 de maio, às 17h o candidato já poderá realizar a sua inscrição no site da FGV. A inscrição é aceita apenas pelo site e deve ser submetida até o dia 10 de maio, às 17h, pelo horário oficial de Brasília. Não deixe para se inscrever no último dia!

É no processo de inscrição que você deverá preencher os seus dados completos, selecionar a seccional em que realizará a prova e escolher qual a sua área de segunda fase. Está com dúvida de qual segunda fase escolher? Faça o teste vocacional que a equipe CEISC montou para quem ainda está indeciso!

Muita atenção aqui! A seccional escolhida deverá ser a mesma da cidade de conclusão da sua faculdade ou do seu endereço de domicílio eleitoral. Caso você faça a prova em outro local, é necessário requerer essa alteração até o dia 10 de maio, às 17h, justificando a razão. Caso contrário, sua prova será invalidada.   

Valor e prazo do pagamento da inscrição:

Para homologar a inscrição, é necessário efetuar o pagamento do boleto de inscrição, cuja taxa é de R$260,00 (duzentos e sessenta reais). Aqui, não tivemos nenhuma novidade sobre os valores (ainda bem), essa taxa não sofreu aumento desde maio de 2017.

Os dados devem ser preenchidos com atenção, pois não poderão ser alterados depois do pagamento da inscrição. Falando no pagamento do boleto, este poderá ser reimpresso e deverá ser pago até o dia 07 de junho, impreterivelmente.

Fez a inscrição com alguma informação incorreta? Basta fazer nova inscrição e efetuar o pagamento apenas daquela que você deseja validar e homologar.

Isenção do pagamento da inscrição:

Os candidatos que podem solicitar a isenção da taxa da inscrição, devem atender, de forma cumulativa, os seguintes requisitos:

  1. Estar inscrito no CadÚnico;
  2. Ser membro de família baixa renda – nos termos do decreto 6.135, que trata sobre CadÚnico.

A isenção deverá ser solicitada mediante requerimento do examinando, disponível em campo específico no link de inscrição, no mesmo período das inscrições, no endereço eletrônico http://oab.fgv.br.

A FGV irá averiguar tais informações, analisar os pedidos e divulgar os pedidos deferidos até o dia 25 de maio no site da FGV. Os pedidos indeferidos poderão ser reanalisados, mediante requerimento.

Atendimento especial:

Os examinandos com deficiência que necessitarem de prova ou atendimento especial, devem indicar no formulário de solicitação de inscrição, os recursos necessários para cada fase do Exame, até o dia 10 de via SEDEX, para a sede da FGV estipulada no edital do local preterido, informações completas de endereço de envio do formulário constam em edital.

Repescagem:

Para aqueles candidatos que eventualmente reprovarem no XXVIII Exame de Ordem as informações sobre a repescagem estarão dispostas no edital complementar com publicação prevista para o dia 02/07/2019.

Materiais permitidos e proibidos:

Na segunda fase, os candidatos poderão utilizar a legislação com remissões e marcações. Confira a lista de materiais:

Veja o infográfico comparativo das remissões e marcações permitidas na segunda fase do Exame de Ordem clicando aqui.

E a contagem regressiva começou! Faltam menos de 60 dias para a prova! Precisando de uma preparação objetiva e intensiva? Conheça o curso Intensivo de Emergência! Estudo organizado e estratégico para a primeira fase da OAB!

E aí, gostou das informações? Lembre-se de salvar as datas do cronograma para não perder nenhum prazo importante e de ler o edital para sanar eventuais dúvidas!

Sabia que a inscrição para a OAB exige idoneidade moral? Saiba mais!

Um dos assuntos mais comentados em jornais e portais de notícia, a interligação entre a inscrição OAB e idoneidade moral representa um dos maiores avanços em termos de integridade, princípios e ética no exercício da profissão na área do Direito.

Para quem tem dúvidas do significado do termo, a idoneidade moral pode ser definida como um conjunto de qualidades de uma pessoa que dispõe de boa reputação e um conceito positivo na sociedade em que vive, sendo considerada honesta e honrada por todos.

Nesse contexto, o Conselho Federal da OAB aprovou duas súmulas em que casos de violência cometidos por bacharéis contra mulheres, idosos, crianças e deficientes passam a caracterizar ausência de idoneidade moral — um dos principais requisitos para a conquista da carteira de advogado. Assim, os candidatos ficam impedidos de obter a inscrição na Ordem.

Ficou interessado na questão? Então, continue a leitura e confira tudo sobre inter-relação entre inscrição OAB e idoneidade moral.

Quais são os casos que caracterizam a falta de idoneidade moral?

De acordo com as súmulas publicadas em 18/03/2019, o Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil determinou que a prática de certos casos de violência constitui fator suficiente para demonstrar ausência de idoneidade moral para a inscrição de bacharéis em Direito nos quadros da instituição.

Dessa forma, mesmo nos casos ainda sem decisão judicial, o candidato que se envolver em ocorrências de agressão contra mulheres, idosos, pessoas com deficiência física ou mental, crianças e adolescentes fica impedido de se inscrever na Ordem — consequentemente, sem o registro no órgão, os recém-formados não podem exercer a profissão de advogado.

Logo, os bacharéis e acadêmicos do curso de Direito que tiverem sua idoneidade moral abalada permanecerão com seus processos de inscrição suspensos — pelo menos, até que se obtenha alguma decisão sobre a eventual inidoneidade.

Qual a importância da súmula aprovada pelo Conselho Federal da OAB?

Diante de um preocupante cenário de aumento da violência contra mulheres, idosos, crianças e deficientes, decisões como a súmula aprovada pelo conselho da instituição são consideradas de enorme e relevante importância para a comunidade brasileira como um todo.

Isso porque o parecer demonstra que a OAB não compactua com aqueles que praticam tais atos de agressão, bem como impede que essas pessoas sejam incluídas na sociedade como representantes e defensores da lei. Dessa forma, a Ordem demonstra que esse valor é essencial para a organização.

Como os candidatos podem comprovar sua idoneidade moral?

Que a idoneidade moral é uma virtude importante e necessária, você já sabe. Mas como os candidatos podem demonstrar sua integridade? Segundo a OAB, os bacharéis devem apresentar um atestado de antecedentes criminais no processo de inscrição.

Esse documento traz informações sobre todos os processos e/ou condenações que o postulante tiver em casos de violência. No caso de existência de registros criminais em seu nome, o candidato, automaticamente, fica impedido de dar continuidade ao seu registro.

A inscrição OAB e idoneidade estão completamente interligadas, afinal, um dos principais requisitos para a conquista da carteira de advogado é exatamente a existência da boa índole do candidato. Assim, para uma carreira profissional bem-sucedida, é fundamental que o bacharel disponha de valores que o conduzam à respeitabilidade na sociedade.

E aí, curtiu conhecer mais sobre a relação entre inscrição OAB e idoneidade moral? Então, continue a visita em nosso blog e confira o que é interposição de recurso no exame e como realizá-lo da melhor forma possível. Vamos lá?

O que é interposição de recurso? Entenda para que serve

Depois de ter o resultado preliminar da prova da OAB, é preciso saber o que é interposição de recurso para o exame e como construir seus argumentos para conseguir a reversão de uma correção equivocada da banca.

Muitos alunos ainda têm dúvidas sobre como funciona esse procedimento, perdendo prazos ou fazendo recursos que são indeferidos pela banca examinadora, deixando passar uma chance de modificar o resultado.

Para evitar isso, neste post mostraremos o que é a interposição e quais são os prazos para fazer. Também daremos alguma dicar para essa hora. Confira!

O que é a interposição

Interpor um recurso na prova da OAB significa elaborar argumentos para anular ou mudar a interpretação de uma questão de acordo com o gabarito divulgado pela banca organizadora. Para isso, é preciso seguir várias regras divulgadas pelo edital, com o objetivo de conseguir alguns pontos na avaliação.

É permitido fazer um recurso por questão objetiva e discursiva, além de pontos da peça profissional que foi confeccionada durante o exame. Assim, é possível fazer 80 razões para a prova objetiva (uma por questão) e 5 para a segunda fase (4 discursivas e 1 sobre a petição).

A banca organizadora também disponibilizará as digitalizações da folha de resposta de cada candidato; assim, se houver algum erro de leitura das questões objetivas ou discursivas, será possível interpor um recurso com esse argumento.

Também é preciso saber que há um limite de 5.000 caracteres para as razões recursais. Então, no momento de redigir o recurso, é preciso ser direto e objetivo, focando nos pontos-chave para a mudança da questão, sem discutir questões pessoais ou que não estão ligadas ao assunto.

O uso de modelos também deve ser feito com uma certa cautela; as razões do recurso, tanto da parte objetiva quanto da discursiva, não serão analisadas se forem cópias de outros alunos. Portanto, é preciso escrevê-la com as próprias palavras, utilizando as dicas de cursinhos e professores.

Quem julgará esses recursos será a banca recursal, nomeada pela Coordenação Nacional do Exame de Ordem. Essa análise deve ser feita de forma imparcial, portanto, não é possível assinar as razões ou colocar o nome do candidato.

Quais são os prazos do recurso

Sabendo o que é interposição de recurso, você deve conhecer todos os prazos para fazer isso, tendo em vista que os intempestivos não serão julgados pela banca recursal. Quem traz essa regra é o próprio edital da prova da OAB, então é importante conhecê-lo com antecedência.

Como esse prazo varia entre as provas, não é possível seguir um padrão. Para conhecê-lo, procure a última página do edital, em que está o Cronograma Geral de Eventos (geralmente o Anexo V). Nele, estarão descritas todas as datas importantes, inclusive o prazo de interposição de recurso.

O horário também é importante: ele estará descrito no próprio site da FGV, na primeira tela do sistema de interposição de recursos da banca. Geralmente, vai das 12h do primeiro dia do prazo até as 12h do último.

Dicas gerais para fazer o recurso

O primeiro passo para fazer o recurso é identificar os casos em que vale a pena recorrer. Para isso, é preciso verificar todas as suas respostas e analisar quais estão de acordo com leis e entendimentos judiciais, mas a banca não considerou.

Para facilitar essa tarefa, vários cursinhos e professores disponibilizam “primeiras impressões” sobre a prova em cada matéria, inclusive se há possibilidade de interposição de recurso em casos específicos.

Depois disso, basta escrever as razões recursais e interpor o recurso pela plataforma que a banca disponibiliza. Vale lembrar que não adianta recorrer de todas as questões que você errou, mas só daquelas em que realmente há um embasamento.

Agora você já sabe o que é interposição de recurso! Apesar de ser uma via estreita, quando o estudante tem bons argumentos e redige boas razões, é possível ter sucesso no resultado e, inclusive, conseguir a aprovação.

Para complementar essa leitura, confira o nosso passo a passo para o sistema de interposição de recursos!

Entenda como são cobrados o Código de Ética e o Estatuto da OAB

O Estatuto da OAB e o seu Código de Ética e Disciplina são assuntos muito importantes, tanto para o exame de ordem como para a própria carreira na advocacia, já que eles dispõem desde os direitos e deveres dos advogados até as sanções disciplinares que podem ser aplicadas.

Inclusive, no exame da OAB, essas matérias reúnem 8 questões: o maior número em relação a qualquer outro assunto. Gabaritando essa parte, o candidato já garante 20% dos pontos necessários para ser aprovado na prova.

Neste texto nós mostraremos o que é o Estatuto da OAB, o Código de Ética e como eles são cobrados no exame. Não perca!

O que é o Estatuto da OAB?

O Estatuto da OAB, Lei n.º 8.906 de 1994, traz regras para vários assuntos pertinentes ao exercício da advocacia no Brasil, como os direitos do advogado, os impedimentos, as imunidades dos membros, os atos privativos, as atividades incompatíveis, as prerrogativas etc.

Ele também dispõe sobre os fins e a organização da própria OAB, além de tratar dos estagiários, das caixas de assistência dos advogados, das eleições internas da Ordem e de todos os processos disciplinares em relação às sanções que podem ser aplicadas.

O estatuto é muito importante para que o advogado tenha resguardadas suas garantias constitucionais e legais, pois ele é um sujeito fundamental para a ordem pública e, dessa maneira, precisa ter direitos e deveres regulados com a aplicação de sanções pelo seu descumprimento.

O que é o Código de Ética?

O Código de Ética e Disciplina da OAB não é uma lei, mas sim uma norma editada pela própria ordem dos advogados para regular a postura profissional do advogado conforme vários princípios, como justiça, boa-fé, dignidade, isonomia, finalidade social etc.

Ele tem a função principal de regulamentar a relação entre o advogado e o cliente, trazendo normas para defender o interesse das pessoas que buscaram o profissional dessa área para postular o direito em juízo ou defender-se.

O código fala sobre a ética do advogado, o sigilo profissional, a publicidade, os honorários profissionais, o processo disciplinar, entre outros assuntos que são fundamentais para o exercício da advocacia e o atendimento a clientes.

Como o assunto é cobrado no exame de ordem?

Como vimos, essas normas são fundamentais para o exercício da advocacia e também são de grande importância para a prova da OAB, pois são a base dos conteúdos cobrados na parte de Ética, além disso são matérias relativamente tranquilas de serem estudadas.

Do Estatuto da OAB, os pontos fundamentais são os direitos do advogado, que estão elencados no artigo 7º, entre eles: inviolabilidade do escritório, comunicação com o cliente, da prisão em flagrante e da presença do representante da OAB, livre ingresso em repartições públicas, recusa de depoimento como testemunha em processo no qual atuou e imunidades profissionais.

O art. 34, que fala das infrações e sanções disciplinares, também é um assunto recorrente no exame de ordem, devendo o candidato saber quais são as penalidades, suas regras e o rol taxativo de infrações.

Os honorários advocatícios (art. 22 do Estatuto e arts. 35 e seguintes do Código de Ética) também são muito importantes para a prova (e para a carreira!). Aqui é necessário conhecer os honorários pactuados, os de sucumbência e os arbitrados judicialmente.

Vale lembrar que o Código de Ética tem apenas 66 artigos, portanto, é possível fazer uma leitura integral e conhecer todos os detalhes. Com um bom curso de preparação para a prova, o candidato também pode conhecer as regras mais importantes do Estatuto da OAB, garantindo uma boa nota nessa parte!

Gostou do nosso artigo? Ainda ficou com alguma dúvida ou tem mais dicas para ajudar outros candidatos com essas matérias? Então deixe um comentário aqui no post!

Planner de estudos: como montá-lo e organizar a sua rotina

O planner de estudos é uma ferramenta que pode auxiliar os alunos durante preparação para o Exame de Ordem. Existem vários formatos de planners e para com finalidades diversas, você deve buscar aquele que melhor atende as suas necessidades e disponibilidades.

É claro que é necessária uma boa fonte de material para estudar, assim como aulas ou vídeo-aulas, mas a organização do estudo também é essencial para aprovação!

Assim, o planner vem para auxiliar o aluno a preparar seu cronograma de estudo, tem como objetivo organizar as matérias, conteúdos e as tarefas a serem realizadas, de acordo com a disponibilidade da agenda de cada um. Vamos aprender a organizar o seu?

Etapas para organização do seu planner:

1 – Faça o levantamento em tópicos de matérias/conteúdos que deve estudar para o seu exame;

2 – Verifique quais são as tarefas destinas a cada um desses conteúdos, por exemplo, se você deve ler a lei, praticar com uma peça processual ou questões, ver também uma vídeo-aula sobre o assunto, realizar um simulado, etc.;

3 – Selecione o dia que você realizará a tarefa. O planner deve conter um planejamento semanal ou mensal para que você distribua neles os conteúdos e atividades que realizará até completar o seu estudo, antes da prova (é claro!);

4 – Verifique quais são os conteúdos que deve revisar porque ainda não fixou bem a matéria;

5 – Por fim e mais importante, comprometa-se em cumprir o seu planner de estudo!

Ajuste sua rotina de estudo:

É claro que não basta só organizar os estudos, é preciso colocar em prática! Ajuste a sua rotina para que consiga seguir seu cronograma de estudo, na hora de montar seu planner é preciso pensá-lo de forma eficaz, isto é, não adianta comprometer oito horas do seu dia para estudar, se você não tem oito horas do dia sobrando ou não consegue atingir esse ritmo de estudo (ainda), permita-se intervalos e também aumentar o ritmo gradativamente, assim você conseguirá se acostumar com o rotina de estudo sem dormir em cima dos livros!

Veja um modelo de planner de estudo:

Esse modelo de planner de estudo foi disponibilizado pela equipe CEISC nos cursos de 2ª fase da OAB, nele já estão estipulados os conteúdos que devem ser estudados para a prova e as tarefas a serem realizadas durante o curso (aí fica mais fácil, né? Já vem prontinho! Hehe), o aluno apenas precisa adequar as tarefas à sua agenda e cumprir suas metas:

Agora que você já sabe como organizar o seu estudo a partir de um planner, comece desde logo a organizar seu material de estudo e sua rotina!

E se você gostou do nosso texto, aproveite para compartilhar essas dicas nas suas redes sociais.

O que estudar na reta final da 1ª Fase da OAB

Estamos há menos de trinta dias da primeira fase do XXVIII Exame de Ordem e a maior dúvida dos candidatos neste momento são sobre o que estudar e direcionar os estudos: reviso os conteúdos que já sei, ou corro atrás de novos conhecimentos?

A primeira dica é não se desesperar, a segunda é ler o nosso post, pois hoje vamos esclarecer todas essas dúvidas e lhe ajudar a estabelecer a melhor estratégia de estudo para esta etapa.

FAZER REVISÕES DOS CONTEÚDOS OU BUSCAR NOVOS CONHECIMENTOS?

A resposta vai depender exclusivamente de como foi a sua trajetória até aqui, faça uma análise das suas últimas semanas de estudos. Se você está seguindo um cronograma de estudos, é primordial que você continue no seu planejamento e o altere apenas se precisar dar uma atenção especial a dificuldades que você esteja enfrentando, se for o caso.

Se você faz parte dos que ainda nem tocaram nos cadernos e precisa começar a estudar agora, saiba que há tempo para correr atrás do prejuízo! Entretanto, será necessário definir com clareza quais são as suas prioridades neste tempo disponível. E claro, será essencial ter muito foco e dedicação!

O QUE REVISAR?

Se você tiver anotações das aulas ou dos conteúdos lidos, é o momento de realizar leituras atentas a fim de fixar e memorizar esses conteúdos.

São eixos importantes a serem explorados nas suas revisões:

Lei Seca: não deixe de ler a legislação. Além de estimular a memória fotográfica, a FGV costuma cobrar questões baseando-se na literalidade da letra de lei.

Princípios e conteúdos bases das matérias: você já sabe que os princípios norteiam o Direito, são eles os definidores de toda a estrutura e fundamentos do sistema jurídico. Sabendo os princípios das matérias cobradas, será mais fácil de interpretar as questões, mesmo que você não tenha domínio de todo o conteúdo pedido.

Simulados e questões anteriores: sabe aqueles simulados que você já resolveu antes? Não deixe eles parados! Reveja os pontos que você errou e tente fazer novamente essas questões, isso auxilia no processo de fixação dos conteúdos e interpretação dos enunciados na hora da prova.

O QUE EU ESTUDO DO “ZERO”?

Existe uma chave principal em se tratando de primeira fase da OAB: ÉTICA!

Essa matéria precisa ter preferência estratégica nos seus estudos, leia o Código de Ética e Disciplina da OAB, bem como o Estatuto da Advocacia! São 8 questões que você pode garantir com uma disciplina de conteúdo simples e curto. Aposte nela!

Além de Ética, existem outras matérias que possuem um conteúdo razoável em relação a quantidade de questões que são cobradas na prova, como por exemplo, Direito do Trabalho, Processo do Trabalho e Constitucional (caso você acerte todas as questões destas matérias, terá uma vantagem de 50 acertos na prova).

COMO REVISAR?

Uma revisão eficiente deve incluir todas as 17 disciplinas cobradas no Exame de Ordem, focando nos pontos mais exigidos pela banca. Para isso, sugerimos que você conheça a Revisão Turbo do CEISC, que ocorrerá entre os dias 6 e 16 de março, onde serão ministradas aulas gratuitas de todas as matérias cobradas no Exame de Ordem. Além das aulas, você poderá participar dos sorteios de bolsas de estudos, livros, vade mecuns e outros brindes incríveis! E aí, vai perder uma baita oportunidade dessas? Clique aqui e se inscreva agora mesmo no evento!

Saiba agora como ter disciplina para estudar para a OAB

Uma das maiores dúvidas de quem está se preparando para a prova da OAB é como ter disciplina para estudar para esse exame. Muitas vezes, o candidato cursa faculdade, trabalha, faz estágio e a rotina de preparação pode se tornar difícil.

Porém, conseguir ficar focado e criar um hábito é fundamental para que o estudo renda e você consiga dar conta de toda a matéria até o dia da prova da OAB, garantindo os pontos necessários para a aprovação.

Para ajudar nessa questão, preparamos este texto com algumas dicas para melhorar a disciplina e se manter focado. Confira!

Crie um plano de estudos estratégico

O primeiro passo para ter disciplina para estudar para a OAB é ter um plano de estudos bem organizado e estratégico. Isso é muito importante para que você não perca a concentração e o foco no meio da leitura, e para saber que assuntos estudar no dia.

Conhecendo, com antecedência, qual será a matéria do dia ou do período de estudo, você poderá se concentrar só nisso e reduzir as chances de focar em outras tarefas que não farão a sua leitura render.

Para isso, organize um plano de estudos em uma planilha, contendo todos os assuntos que você precisa estudar até o dia da prova, deixando alguns dias de descanso para não se sobrecarregar. Seguir esse planejamento com disciplina é fundamental para não perder o foco.

Defina metas

Depois de criar um plano de estudos, não deixe de definir metas. Elas podem ser mensais, semanais e, até mesmo, diárias: isso ajudará a manter o embalo com a leitura e aumentará a sua empolgação com a aprendizagem.

Saber que ao fim da semana você conseguiu atingir uma meta de estudos é fundamental para manter a disciplina, você terá mais ânimo para estudar no próximo período e, assim, criará uma rotina que você pode se acostumar com facilidade.

Escolha um local apropriado

Um ponto muito importante sobre como ter disciplina para estudar, é achar um local apropriado para conseguir se concentrar e ler a matéria com tranquilidade, sem interrupções e que não atrapalhe toda a organização que você fez.

O ideal é não estar perto de barulhos que possam irritar, pessoas que tendem a interromper ou outras situações que façam você perder o foco no estudo. Se possível, tente não ficar com o celular por perto, para não cair na tentação de dar uma olhadinha.

Faça pequenas pausas

Fazer pequenas pausas é uma técnica muito conhecida para manter a concentração na atividade que você está realizando, principalmente para estudar. A ideia aqui é não ficar várias horas estudando sem parar e acabar desmotivado, e muito cansado.

Uma técnica conhecida é a “pomodoro”: você, basicamente, deve estudar por 25 minutos e fazer uma pausa de 5 — aproveite para olhar o celular, se alongar e dar uma caminhada pela casa. Depois de algumas séries, faça um descanso maior de cerca de meia hora.

Com isso, você conseguirá melhorar o seu rendimento de estudo e ter mais disciplina, uma vez que o corpo e a mente estarão mais descansados e acostumados com a leitura das matérias.

Adote técnicas alternativas para a disciplina no estudo

Se com essas dicas você ainda está encontrando dificuldades para ter uma disciplina na hora do estudo, você pode tentar algumas técnicas alternativas para “capacitar o seu cérebro”.

Um bom exemplo, é o desafio dos 21 dias: com ele você tentará criar uma rotina para o seu cérebro que, ao fim, virará uma tarefa comum e você ficará acostumado com isso (e até sentirá falta de estudar!).

Para isso, basta seguir o cronograma de estudos com religiosidade por, pelo menos, 21 dias. No começo você pode querer desistir, mas é fundamental se manter fiel à rotina. No fim do desafio, você terá mais disciplina e o estudo se tornará parte do dia a dia.

Gostou das nossas dicas sobre como ter disciplina para estudar? Não esqueça de que é importante ter um bom material e, principalmente, seguir um curso preparatório especializado!

Se você quer ainda mais dicas para melhorar a sua preparação, não esqueça de acompanhar nosso texto sobre o mapa mental para estudar!